Advogado contesta pedido de desaforamento

Jabs Paim Bandeira chamou uma coletiva de imprensa hoje à tarde para contestar o pedido feito pelo Promotor Diego Mendes

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O advogado Jabs Paim Bandeira chamou uma coletiva de imprensa hoje à tarde, na sede da OAB de Passo Fundo, para contestar o pedido de desaforamento feito pelo Promotor Diego Mendes, que suspendeu o julgamento do empresário Paulo Rogério Gonçalves Ribeiro. Ele será julgado pela morte de um homem acusado de assaltar a filha, cinco anos atrás. O fato aconteceu dentro da delagacia de polícia. O julgamento foi adiado para garantir a imparcialidade do Júri Popular, segundo o promotor criminal. A sessão estava prevista para ocorrer no último dia 21, porém foi cancelada após um pedido de desaforamento – petição para troca de cidade – feito pelo Ministério Público.


Segundo Jabs promotor não foi claro com a imprensa, ao discorrer como se requer um cancelamento de um júri e o pedido de desaforamento, no seu tramite legal e de acordo com o código de processo penal e nossa lei maior. Disse que para requerer o desaforamento no Tribunal de Justiça, tem que haver uma certa antecedência. “É um direito da acusação e da defesa se os fundados tem os anseios de não haver o julgamento justo requerer o desaforamento, mas não da maneira como procedeu o promotor de justiça neste caso, contrariando todos os valores, para dizer o mínimo".


Segundo Jabs, o promotor não ingressou com um pedido no Tribunal de Justiça. “Ele juntou o pedido de desaforamento nos autos do processo, pegou aquele pedido e levou lá no cartório e botou no processo, não mandou para o Tribunal!". Jabs disse que está tomando as medidas cabíveis e usará todos os recursos legais para que o julgamento seja realizado em Passo Fundo. Também vai encaminhar a OAB pedido de providências em relação a conduta do promotor que o impediu de participar de uma entrevista coletiva dada pelo promotor sobre o caso.

Gostou? Compartilhe