BM e direção debatem ações para conter violência em escola

Somente nos últimos dois meses, mais de 50 vidros da escola foram quebrados

Escrito por
,
em
Telas ao redor do pátio estão completamente danificadas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O comando da Patrulha Escolar Comunitária da Brigada Militar, voltou a se reunir ontem à tarde, com a direção da Escola Municipal de Ensino Fundamental Coronel Sebastião Rocha, no bairro Valinhos, para definir estratégias de segurança. Sem um muro de proteção ao redor do pátio, o educandário tem sido alvo frequente de vândalos e usuários de drogas.


A situação já havia sido debatida durante reunião realizada terça-feira, entre direção, Brigada Militar, e representantes da prefeitura. De acordo com a diretora, Maria Scorsatto, todas as atividades realizadas no pátio da escola, incluindo recreio, aulas de educação física e brincadeiras na pracinha, foram canceladas há uma semana, por medida de segurança. Os 200 alunos permanecem no interior do prédio, durante todo o turno da manhã ou da tarde.


Conforme a diretora, a tela de arame, que seria a única barreira para impedir a entrada no pátio, está totalmente danificiada. Os ladrões levaram até uma parte do portão principal. "Mesmo durante as aulas eles entram no pátio para consumirem drogas. Ameçam professores e alunos. Utilizam a quadra de esporte no momento em que o professor necessita para alguma atividade. A situação está bem complicada. Outro dia entraram com dois pit bulls, imagina o perigo para as crianças " desabafa.


As marcas de vandalismo estão espalhadas pelo prédio. Somente nos últimos dois meses, mais de 50 vidros foram quebrados. Parte deles substituídos e destruídos novamente. Desde o início do ano, o prédio sofreu dois arrombamentos. O abrigo de proteção do botijão de gás, no lado externo, teve a porta totalmente danificada.


Comandante da Patrulha Escolar Comunitária, o tenente Daisson, disse que a BM, juntamente com a direção, está definindo estratégias de ação, para reduzir os índices de violência no local. O policial afirma que a escola apresenta uma série de 'fonte de risco' que facilita a ação dos vândalos. Uma delas é a existência de um prédio abandonado, nos fundos do educandário. No local funcionava um PSF da prefeitura. "Eles entram pela lateral e pulam para dentro da quadra de esportes. Outra fonte de risco é a falta de iluminação. As lâmpadas dos postes estão queimadas, fica muito escuro durante à noite. A falta de um muro também facilita muito a entrada no local" afirma. Além destas medidas, Daisson comentou com a direção a possibilidade de realizar ações preventivas, como palestras com os alunos. Segundo a diretora, a prefeitura, através da Secretaria Municipal de Educação, informou que pretende encaminhar a construção do muro através de medidas compensatórias.

Gostou? Compartilhe