CASO RAFAEL: Polícia quer esclarecer divergências com novos depoimentos

Chefe de Polícia do RS, delegada Nadine Anflor, falou em cautela nas investigações durante coletiva

Escrito por
,
em
Diego Camargo/Portal Tchê

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“Não precisamos ter pressa, vamos fazer uma investigação bem feita, e  entregar ao Ministério Público um trabalho bem completo”. É desta forma que a Chefe de Polícia do RS, delegada Nadine Anflor, definiu a investigação sobre o crime em Planalto durante entrevista coletiva na tarde desta terça-feira. 

Oito dias depois de Alexandra Dougokenski ter assumido a autoria do homicídio do seu filho, Rafael Winques, de 11 anos, representantes da Polícia Civil, o Ministério Público e Instituto Geral de Perícia, realizaram uma reunião de colaboração institucional para  definir o desenrolar das investigações. Foram realizadas diligências na cena do crime e no local onde o corpo foi encontrado, com o objetivo de preparar a reconstituição, que deve acontecer no prazo de 15 dias. 

Contradições 

Na coletiva, a delegada Nadine destacou que houve divergências entre os depoimentos da mãe e do irmão de Rafael, porém não detalhou quais seriam os fatos contraditórios. “Novos depoimentos podem acontecer e, desta forma, essas contradições podem ser esclarecidas”, comentou ela. A delegada confirmou a presença de três pessoas na casa onde aconteceu o crime.  Além da vítima, Rafael, está comprovado que a sua mãe Alexandra e o irmão estavam no local. “Não estamos excluindo ninguém, mas neste momento da investigação não é possível afirmar se houve, ou não, participação de mais pessoas”. 

Investigação cautelosa 

Nadine comentou que a investigação deve acontecer de forma cautelosa. Ela enfatizou que inquérito não deve ser entregue antes do prazo de 30 dias, período em que Alexandra ficará em prisão temporária. A policial ainda aguarda laudos do IGP para definir alguns encaminhamentos. 

Os moradores do imóvel onde o corpo de Rafael foi encontrado ainda não retornaram de viagem. Eles também devem ser ouvidos. A polícia pretende esclarecer se alguém tinha acesso ao interior da casa. “Neste momento o imóvel está isolado e vamos aguardar o retorno dos moradores para ouvi-los”, comentou ela.  Algumas informações ainda precisam ser confirmadas, por exemplo, a origem da caixa de papelão usada para ocultar o corpo do menino.  

IGP irá fazer a reconstituição do crime

A diretora geral do Instituto-Geral de Perícias, Heloisa Helena Kuser, também conversou com a imprensa. Ela esteve em Planalto para avaliar o local onde, em 15 dias, deverá acontecer a reconstituição do crime. 

Ela comentou que é importante avaliar o local com antecedência para preparar todos os elementos necessários para realização deste trabalho. Segundo ela, o trabalho pericial está acontecendo de forma 'bastante cautelosa'.  “São várias perícias diferentes que se comunicam, então não vamos estipular uma data precisa para entregar todos os laudos”, finalizou ela.

Gostou? Compartilhe