Depois de nove anos, filho é condenado pela morte dos pais

Após sentença, Lázaro Geraldo Eckert Macedo foi recolhido ao presídio, onde deve cumprir pena de 40 anos e 10 meses de prisão

Escrito por
,
em
A sessão encerrou após as 21h e teve duração de 12h

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O homem acusado pelo assassinato dos pais adotivos, um casal de idosos que residia na Vila Rodrigues, foi a julgamento ontem pelo Tribunal do Júri. Após sessão que durou 12 horas no Fórum de Passo Fundo, Lázaro Geraldo Eckert Macedo, 51 anos, foi condenado por duplo homicídio, duplamente qualificado.

A juíza titular da 1ª Vara Criminal da Comarca, Lisiane Marques Pires Sasso, proferiu sentença de 40 anos e 10 meses de prisão em regime fechado e decretou prisão preventiva ao réu. Ele saiu do fórum e foi conduzido direto ao presídio. Atuou na acusação, o promotor João Francisco Ckless Filho, e na defesa, o advogado Roque Letti.

O crime

O crime ocorreu no dia 18 de abril de 2009 e repercutiu por sua brutalidade. À época Edith Maria Eckert Macedo, com 74 anos, e Jader Moacir Macedo, com 77 anos, foram mortos a tiros dentro da própria casa. O fato ocorreu na Rua 14 de Julho.

Conforme arquivos do O Nacional, os corpos teriam sido encontrados pelo único filho do casal e a esposa dele, quando chegaram à residência para almoçar, como costumavam fazer aos sábados. O idoso foi assassinado primeiro, com dois tiros: um na nuca e outro no ouvido. Já a esposa dele, foi alvejada duas vezes na nuca, assim que chegou da rua. Não foram encontrados outros sinais de violência e nem de arrombamento no imóvel.

No mesmo dia, o filho do casal e a esposa foram encaminhados à 1ª Delegacia de Polícia, onde prestaram depoimento. A arma que pertencia ao idoso não foi encontrada na casa, somente a caixa que servia como recipiente estava no local. Seis meses após iniciadas as investigações, a polícia concluiu que o responsável pela morte era o filho adotivo. Lázaro foi indiciado pelo crime e denunciado pelo Ministério Público, na sequência.

Gostou? Compartilhe