Instituto Penal de Passo Fundo deve receber detentas da região

Medida é provisória em razão da falta de espaço para isolamento nas demais casas prisionais

Escrito por
,
em
Luciano Breitkreitz / ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde a última semana, o Presídio Regional de Passo Fundo, e outras sete casas prisionais da 4ª Delegacia Penitenciária Regional, estão proibidos de receberem novas detentas. A  determinação  é da  juíza da 3ª Vara de Execuções Criminais, Lisiane Marques Pires Sasso, com base nos protocolos para evitar o contágio da Covid-19. Durante dois dias de reuniões e inspeções virtuais, ficou  constatado que essas casas prisionais não oferecem isolamento para novas presas femininas, por falta de espaço.

A decisão, anunciada em 29 de maio, vale tanto para o Instituto Penal, como o Presídio Regional de Passo Fundo, além dos presídios estaduais de  Erechim, Getúlio Vargas, Carazinho, Sarandi, Espumoso, Soledade e  Lagoa Vermelha. No caso de Getúlio Vargas, também está vedado o  ingresso de novos presos masculinos por não apresentar dois espaços distintos.

O Promotor de Justiça Marcelo Pires comentou que o Ministério Público está acompanhado a situação nas casas prisionais desde o começo da pandemia, e que as medidas tomadas estão com efeito bastante positivo, tanto que o Coronavírus ainda não é um problema dentro das casas prisionais do município. Segundo ele, a medida de manter as apenadas em isolamento após elas entrarem nas instituições penais reforça esse trabalho. “É necessário que haja duas celas para receber as presas e que elas fiquem em isolamento durante o período de quarentena”, comentou ele. 

No norte do Rio Grande do Sul, o Instituto Penal de Passo Fundo, que já se adequou a este protocolo, deverá concentrar as presas até que as penitenciárias da região consigam suprir a demanda. “A intenção é que elas permaneçam  no Instituto Penal de Passo Fundo somente durante o período em que os presídios de cada cidade se adequem, para que em seguida, elas sejam novamente transferidas”, explicou Marcelo. A transferência das detentas para Passo Fundo tem o objetivo de evitar que alguma mulher deixe de ser presa em virtude dos protocolos estabelecidos de proteção ao Covid-19.

Gostou? Compartilhe