Mulher confessa autoria de homicídio

Ela alegou ter usado a faca para se defender das agressões do cônjuge

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Depois de cinco anos de um relacionamento conturbado, a última briga do casal terminou em homicídio. Rodrigo de Moraes Belloni, de 27 anos, foi morto após ser atingido por uma facada no pescoço, na tarde do último sábado (12). A autora do golpe se apresentou à polícia no dia seguinte e confessou o crime. Acompanhada de um advogado, alegou ter usado a faca para se defender do namorado, que lhe agredia.


A equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi quem ouviu a mulher, de 25 anos. De acordo com o chefe de investigações, Volmar Menegon, o depoimento dela coincide com os das testemunhas. “Antes do fato, a Brigada Militar chegou a ser acionada por um vizinho, que escutou o desentendimento entre o casal. O homem estava embriagado quando a polícia chegou. Como a suposta vítima não estava no local e não foi encontrada, a viatura foi embora”, relata.


Alterado devido à abordagem policial, o homem foi até o apartamento tirar satisfação com a companheira. “Ele achou que ela tinha ligado para a polícia e ficou mais agressivo do que estava quando ocorreu a primeira discussão. Então foi para cima dela, que se defendeu com a faca”, conta Menegon, sobre o relato da autora.


Quando a mulher percebeu o grave ferimento, se apavorou e correu com o cônjuge para a rua, a fim de pedir socorro. O condutor de uma caminhonete deixava um amigo nas imediações e foi abordado pelo casal. Ele concordou, mesmo sem conhecer os envolvidos, em levar os dois até o hospital. Sangrando, a vítima subiu na carroceria da caminhonete e foi conduzido até o Hospital da Cidade, onde morreu.


Outras testemunhas devem ser ouvidas no decorrer da semana. Concluído o inquérito, a delegada titular deve decidir se haverá indiciamento por crime passional.

Gostou? Compartilhe