PC faz operação contra estelionatários em Passo Fundo

Investigação iniciou em 2015 e foram cumpridos neste sábado 127 mandados

Escrito por
,
em
Foram aprendidos carros e bens dos acusados

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Delegacia Regional de Polícia de Passo Fundo e Defrec, realizaram na manhã deste sábado a Operação Pólis, de combate a lavagem de dinheiro e organização criminosa. Foram cumpridas 127 ordens judiciais no município, sob coordenação dos Delegados Diogo Ferreira e Adroaldo Schenkel. A investigação teve início em maio de 2015 após verificar que diversos veículos envolvidos na prática do conto do bilhete utilizados por indivíduos de Passo Fundo eram emplacados em outras cidades.

O estelionato , na modalidade de Conto do Bilhete Premiado, é prática bastante antiga, vem desde a velha Loteria esportiva. Consiste em simulação (teatral) que envolve vários autores visando rápido lucro financeiro com a ação criminosa.  A investigação da polícia civil identificou o esquema voltado especialmente para a prática de simulação de propriedades em nome de terceiros.

Participam mais de 430 policiais, entre agentes e delegados, de diversas regiões do Estado. 140 viaturas e 1 helicóptero foram usados na Operação, que contou com o auxílio do Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos - GIE e da Divisão de Apoio Aéreo da Polícia Civil.

Como agiam os estelionatários  

O mais comum é aquele em que um primeiro ESTELIONATÁRIO (o “HUMILDE”) simulando extrema humildade/analfabetismo (vestido dessa forma) aborda a VÍTIMA (geralmente pessoa idosa/bem vestida/jóias/indicativos de boa situação financeira) nas imediações de bancos. Essa pessoa pergunta onde fica a CAIXA FEDERAL, depois solicita ajuda, pois refere ter um BILHETE LOTÉRICO PREMIADO. Na sequência da conversa, aproxima-se um segundo ESTELIONATÁRIO (este bem vestido e comunicativo, geralmente dizendo ser advogado ou médico, o “ESPERTO”) que também se propõe a auxiliar o “HUMILDE”. O “ESPERTO” simula então uma ligação para a Caixa Econômica Federal e eis que surge o terceiro ESTELIONATÁRIO, o “BANCÁRIO”. A partir daí o esquema passa a ter a seguinte sequência de ações:

1º - há a confirmação (por viva voz ou com o celular sendo passado para a VÍTIMA) dos números sorteados e do valor do “PRÊMIO” (geralmente bastante alto).

2º - o “BANCÁRIO” informa documentação e condições para “sacar o prêmio”.

3º - o “HUMILDE” alega que não possui os documentos, que não tem instrução e pede auxílio para a VÍTIMA e para o “ESPERTO”, prometendo gorda gratificação pelo “AUXÍLIO”, porém para entregar o “BILHETE PREMIADO” quer alguma garantia.

4º - o “ESPERTO” de pronto exibe/entrega um pacote de “DINHEIRO” (geralmente maço de papel, apenas com as bordas com notas verdadeiras).

5º - A VÍTIMA então se propõe a participar do “AUXILIO” e vai (com o “HUMILDE” e o “ESPERTO” no carro deles) em busca de dinheiro (saques em Bancos) ou mesmo arrecadando joias que possui para prestar sua parte na “GARANTIA”.

6º - após à entrega da garantia, a VÍTIMA é abandonada e o golpe concluído.

Por vezes, a VÍTIMA acaba percebendo o GOLPE (no curso da ação) e tenta desistir, então é ROUBADA, sofrendo a ação com emprego da violência, mesmo que psicológica.

Passo Fundo fazendo escola no crime 

Segundo a polícia, Passo Fundo, neste crime é destaque e o verdadeiro berço das quadrilhas especializadas que aplicam esse golpe. Ocorre que os estelionatos raramente são aplicados apenas na cidade. Os membros das quadrilhas viajam por todo o RS, SC, PR, inclusive SP e MG. Aqui se organizam, treinam o “teatro”, organizam os grupos para as incursões, adquirem/alugam carros e, posteriormente, para cá remetem os valores (contas de parentes ou laranjas). Também usam adquirem vários bens de forma a ocultar a origem, integrando patrimônio incompatível com suas rendas lícitas. São movimentados altos valores na aquisição de jóias caríssimas, bens imóveis e móveis de expressivo valores , tudo com a utilização de recursos financeiros oriundos da atividade criminosa.

 A investigação da polícia civil identificou o esquema voltado especialmente para a prática de simulação de propriedades em nome de terceiros.

Gostou? Compartilhe