Polícia alerta sobre golpe aplicado em mulheres nas redes sociais

Os criminosos conquistam as vítimas, fazem promessas e garantem um relacionamento que não vai existir. Em seguida, tiram seu dinheiro

Escrito por
,
em
Alvo principal são mulheres entre 40 e 60 anos, especialmente viúvas e separadas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um golpe aplicado através das redes sociais e que tem como alvo principal, mulheres de 40 a 60 anos, tem preocupado familiares. Apesar de relatos feitos por parentes das vítimas à imprensa, ainda não há registros oficiais no município. A polícia acredita que não houve procura por dois motivos: principalmente porque elas sentem vergonha de terem sido enganadas ou porque acreditam, mesmo após perderem contato com o suposto interessado, de que vão se encontrar com ele e continuar o relacionamento.


De acordo com o titular da 2ª Delegacia de Polícia, delegado Claudio Belcamino, ainda não há ocorrências registradas por aqui, para que inicie uma investigação, motivo pelo qual destaca a importância em procurar uma delegacia e orienta: “Primeiro que não se fornece nem dados pessoais a uma pessoa que não é conhecida. Segundo que antecipar dinheiro é sempre um grande risco. Se pedirem algum valor e passarem os dados, encaminhem para a polícia, que vai saber agir”, completa.


O golpe é conhecido como “Don Juan” ou “Golpe do Amor”, porque o criminoso que está do outro lado da linha (já há casos em outros estados de que a golpista era uma mulher, que imitava voz masculina), encanta a vítima, de modo que ela só pensa em encontrar seu sedutor, a qualquer custo.

 

Como ocorre
Há pouco mais de um mês, uma mulher de 58 anos foi adicionada em sua rede social por um perfil masculino. O homem, que se diz americano, iniciou um diálogo com a passo-fundense e ganhou sua confiança. Fragilizada por ter ficado viúva há pouco tempo, ela se apaixonou pelo correspondente e fez planos para o casal, que deveria se encontrar em breve.


O homem do perfil se dizia engenheiro químico e fez com a mulher acreditasse em sua transferência dos Estados Unidos, para a Venezuela, onde ficaria mais perto para visita-la. Diariamente mandava fotos falsas de um homem e de objetos que dizia serem presentes para ela. A vítima não sabia, entretanto, que todas as promessas não passavam de um golpe.


Ela passou por todo o processo comum ao crime. Quando já estava envolvida emocionalmente e aguardava sua chegada, ele avisou que o material estava na alfândega, trancado, e que para retirá-lo era preciso pagar um valor. O número de uma conta foi encaminhada à mulher, que só não depositou R$ 500,00, porque foi impedida pela família. “Nas conversas deles, o cara dizia pra ela não contar pra ninguém sobre ele, sua vinda. Não queria que a gente descobrisse. Eu soube o que estava acontecendo porque fui olhar a página dela, do Facebook, e consegui impedir. Ela ficou braba comigo, porque acredita que está tendo uma nova chance de ser feliz”, disse o filho, que terá identidade preservada.

Gostou? Compartilhe