Policiais serão capacitados a coletar depoimento de crianças e adolescentes

O sistema consiste em coletar a oitiva de crianças e adolescentes suspeitos de sofrer abuso

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Policiais civis gaúchos serão capacitados por técnicos do Poder Judiciário em entrevistas forenses para atender crianças e adolescentes. O convênio para a realização dos cursos foi oficializado nesta quarta-feira (21) e terá como base a sistemática do Depoimento sem dano (DSD), projeto do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) reconhecido nacionalmente.

 

O sistema consiste em coletar a oitiva de crianças e adolescentes suspeitos de sofrer abuso, utilizando um ambiente equipado especialmente com brinquedos e aparelhos de áudio e vídeo. Enquanto isso, um técnico especializado acompanha e questiona a criança. O juiz, o promotor público e o advogado assistem o depoimento da sala de audiência.

 

"Uma área sensível, que merece toda a atenção. Nossa intenção é proporcionar melhores condições no atendimento aos eventos desta característica", afirmou o presidente do TJRS, desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro.


O acordo de cooperação possui validade de 60 meses e dá seguimento a uma série de parcerias entre a Secretaria da Segurança Pública e o TJRS. "Nossa relação vem se solidificando, baseada na cooperação e na compreensão de que todos devem agir integrados. Dentro deste contexto, qualificar os nossos quadros para a atuação em um cenário tão delicado é fundamental", salientou o secretário Cezar Schirmer.


A Polícia Civil (PC) já capacita servidores do Judiciário no manuseio de armas de fogo. Para o chefe da corporação, Emerson Wendt, o convênio fará com o que o resultado final dos inquéritos seja ainda mais consistente. "Dará mais subsídio ao Ministério Público e ao próprio TJRS no momento em que o caso chegar às mãos da Justiça, garantindo mais segurança na tomada de decisão", avaliou.

Gostou? Compartilhe