BM reforça proibição de acesso à pedreira do bairro São José

A Corsan, que está retirando água para o abastecimento de Passo Fundo, está mantendo vigilantes 24 horas no local

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Durante esta semana, a Brigada Militar de Passo Fundo intensificou o trabalho de esclarecimento sobre a proibição de acesso à Pedreira do bairro São José. O local esteve ativo entre os anos de 1984 e 1996, época em que foi explorada pela mineradora ERGO, sendo desativada quando ocorreu uma perfuração do lençol freático, o que causou a inundação do local. Em alguns locais a profundidade chega a 90 metros.

A área em que está localizada a pedreira pertence ao patrimônio da Brigada Militar e, devido à grande extensão, o que dificulta o cercamento, por vezes ocorre o acesso de pessoas não autorizadas, que entram pelas trilhas na mata com o intuito de banhar-se nas águas da lagoa formada após a inundação, ou apenas para observar o local, que em alguns pontos possui mais de 50 metros de altura.

O local é considerado perigoso, não só pela profundidade de suas águas, mas principalmente por ser de dificílimo acesso caso haja necessidade de socorro, já tendo sidos registrados vários acidentes, inclusive a morte de uma jovem no ano de 2018.

Atualmente, a Corsan faz a transposição da água da Pedreira São José para o Arroio Miranda que abastece a barragem da companhia, garantindo o abastecimento da cidade. Por meio desta parceria a empresa mantém vigilantes 24 horas por dia no local, os quais estão orientados a acionar a Brigada Militar caso constatem o acesso de pessoas não autorizadas.

A proibição de entrada é expresso através de placas no portão de acesso, na rua Beija-Flor, o qual permanece cadeado. O descumprimento desta ordem configura crime de desobediência, conforme o art. 330 do Código Penal Brasileiro, cuja pena é de Detenção de 15 dias a seis meses, e multa.

Gostou? Compartilhe