Escola de Ernestina emite nota sobre caso de bullying

Caso aconteceu na terça-feira, dia 3, quando aluno de 12 anos foi xingado e agredido por colegas

Por
· 2 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Educarte, de Ernestina, emitiu nesta segunda-feira (9) uma nota sobre o caso de bullying e agressão ocorrido na unidade no dia 3 de dezembro em que reforça as políticas pedagógicas antiviolência ensinadas no espaço. No texto, a escola também destaca que “situação segue sendo acompanhada junto aos órgãos competentes acionados, o Conselho Tutelar e a Polícia Civil”.

 

Na ocasião, um estudante de 12 anos foi agredido por outros três adolescentes, todos de 13 anos, que também o chamaram de “mulherzinha, puto, viado”. As partes foram encaminhados à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Passo Fundo e o Conselho Tutelar foi acionado.

 

Os adolescentes são alunos da mesma turma, na Educarte.  Segundo o Boletim de Ocorrência, registrado no mesmo dia, a ação foi filmada por um deles e estava no celular, comprovando a agressão.

 

Na época, em conversa com a reportagem do O Nacional, a diretora Marley Petr disse que não era a primeira vez que o trio havia agido daquela forma na instituição. Nas outras vezes os alvos foram outros adolescentes, mas em todas elas os pais foram acionados. Desta vez, conforme Marley, por perceber a gravidade do problema, ela buscou a Brigada Militar e o Conselho Tutelar.

 

Íntegra da nota

 

“Diante do ocorrido na manhã da terça-feira, dia 03 de dezembro, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Educarte, a Prefeitura de Ernestina, via Secretaria da Educação, Cultura, Desporto e Turismo, reitera para a comunidade que as medidas cabíveis foram tomadas imediatamente após o ocorrido, tanto na esfera pedagógica como na esfera legal, e a situação segue sendo acompanhada junto aos órgãos competentes acionados, o Conselho Tutelar e a Polícia Civil.

 

Diante desta situação, reafirmamos, também, que as políticas e práticas educacionais adotadas e ensinadas nas escolas municipais são totalmente contra qualquer tipo de violência, exclusão ou discriminação. A Educação é um elemento estruturante do desenvolvimento de toda pessoa e encontra-se na base da evolução humana, e acreditamos em uma Educação inclusiva, que respeite as particularidades de todo indivíduo, voltada a cidadania, aos princípios democráticos e ao direito individual de todo cidadão, como reza a Constituição Federal e a legislação educacional brasileira.



Reiteramos, ainda, a confiança no corpo diretivo da Escola Educarte, bem como em seus professores e colaboradores, e reforçamos nosso compromisso com uma educação horizontal, cidadã e inclusiva. E a família também é fundamental nesse processo. Há muitos princípios basilares na formação de cada criança, como o respeito ao ser humano, que não podem ser ensinados só na escola, precisam da plena participação da família para ensinar a criança a conviver pacificamente em sociedade. A Administração Municipal seguirá acompanhando a situação e reafirma o compromisso com a qualidade do ensino nas escolas, assim como com a garantia de um ambiente saudável para que os profissionais possam desenvolver o seu trabalho e as crianças possam adquirir conhecimentos e vivências essenciais para a vida em sociedade.”

Gostou? Compartilhe