Escola no Parque Farroupilha é invadida pela 3ª vez em 20 dias

Professores e alunos protestaram por mais segurança no educandário

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Na direção da Escola Municipal de Educação Fundamental (EMEF) Etelvina Rocha Duro ha seis meses, Olga Sueli Balansin chora quando avalia os últimos 20 dias de atividades na unidade, que fica no bairro Parque Farroupilha, em Passo Fundo. "É tristeza. Muita tristeza. Eu não dormi essa noite. Porque a escola não é da direção, é da comunidade", desabafa sobre os arrombamentos que aconteceram nos dias 7, 23 e na noite de quarta-feira, dia 26. Ontem (27) a escola cancelou as atividades em protesto e colocou cartazes em frente ao prédio pedindo segurança. As aulas devem voltar normalmente hoje (28).

 

Segundo Olga, na noite de quarta-feira, quando aconteceu o último arrombamento, vizinhos da escola ouviram o alarme soar e ligaram para a diretora. Ela chegou por volta da 0h30, quase que junto com funcionários da empresa que faz a segurança. Eles, de acordo com Olga, disseram que havia um problema no transmissor do sinal e que embora o alarme soasse, a central não era informada.

 

Dentro da escola encontraram uma janela na sala do 1º ano do Ensino Fundamental quebrada, alguns armários revirados e os sensores de alarme arrancados. Quando a diretora estava saindo com o funcionário da segurança ouviram ruídos na sala dos professores. "Era o rapaz estava escondido embaixo da mesa", contou a diretora. O suspeito fugiu, mas pelo que a diretora identificou, não se tratava de algum aluno da escola. Desta fez não foi levado nada na unidade. Na primeira vez, no dia 7, foram furtados utensílios domésticos e, na segunda, no dia 23, notebooks e materiais de escritório. O prejuízo, segundo Olga, gira em torno de R$ 5 e R$ 6 mil.

 

Protesto
Devido a insegurança, a escola paralisou as atividades ontem (27) e fez um protesto em frente a escola com os alunos e professores. Foram colocados no muro e na grade da escola cartazes pedindo segurança e proteção. Conforme a diretora, a prefeitura sinalizou que iria encaminhar um guarda para o período noturno da escola. Já os sensores estragados e o sistema de alarme foram consertados entre a manhã e a tarde de ontem.

Gostou? Compartilhe