Estado transferiu mais de 6 mil presos de delegacias para o sistema prisional neste ano

No TJ-RS, reunião da desembargadora Vanderlei Kubiak com representantes de órgãos responsáveis pelo sistema penitenciário

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Passa de 6 mil o número de detentos transferidos de delegacias para o sistema prisional desde o início deste ano. O dado faz parte de levantamento realizado pela Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe). O secretário da Administração Penitenciária, Cesar Faccioli, destaca que esse é o resultado do esforço diário de todos na busca por vagas dentro do sistema prisional. “A criação de vagas nos presídios, que atendam, de forma adequada, a população carcerária, é a grande razão do nosso trabalho”, afirma.

 

Faccioli participou, na tarde da quinta-feira (23/5), da primeira reunião de conciliação, realizada no Tribunal de Justiça do Estado com a desembargadora Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak e representantes de todos os órgãos responsáveis pela administração do sistema penitenciário – Secretaria da Administração Penitenciária (Seapen), Susepe, Secretaria da Segurança Pública (SSP), Brigada Militar e Polícia Civil –, além da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), Defensoria Pública, Varas de Execução Criminal e Ministério Público.



A desembargadora Vanderlei é a juíza relatora do habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública, que proibiu a permanência de presos em delegacias e viaturas.

 

Diálogo contínuo

O encontro durou mais de cinco horas, com os participantes expondo as suas dificuldades na resolução da crise penitenciária. Ao final, a desembargadora convocou nova reunião para a próxima segunda-feira (27/5). Mas manteve a suspensão da liminar que limitava o manejo dos presos pelo Estado como um gesto de abertura ao diálogo.

 

“Nós estamos em permanente negociação, a partir de agora, para construir soluções que sejam mais permanentes e mais adequadas ao enfretamento dessa crise prisional”, disse a magistrada, que reconheceu o esforço do Estado para solucionar a questão.

 

A Seapen apresentou documento em que projeta possibilidades de criação de vagas no sistema a curto, médio e longo prazos. As medidas podem ser adotadas por meio de convênios com o governo federal, via Ministério da Justiça, para a construção de novas penitenciárias ou a ampliação de algumas existentes, criando vagas, até o uso de tornozeleiras eletrônicas mais modernas e eficientes.

Gostou? Compartilhe