?EURoeA central de monitoramento será uma casa penitenciária?EUR?

Unidade está em fase de inspeção e deve amenizar problema de superlotação no IPPF

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

A central de monitoramento de tornozeleiras instalada dentro do Instituto Penal de Passo Fundo (IPPF) está em faze de avaliação e deve receber na quinta-feira (30) agentes da Superintendência de Assuntos Penitenciários (Susepe) para primeira averiguação da rede lógica. Segundo o delegado penitenciário adjunto da 4ª Região Penitenciária e diretor interino do IPPF, Kléber Augusto Medeiros, a central será uma nova casa penitenciária, que deve “atenuar” as condições do apenados que cumprem pena no regime aberto e semi-aberto. 

 

“O Instituto Penal de Monitoramento da 4ª Região Penitenciária é uma casa prisional que terá autonomia administrativa”, explica Medeiros. “Ela apenas funcionará dentro do Instituto Penal, mas terá administração e funcionários próprios.” Hoje, os apenados com tornozeleiras de Passo Fundo são monitorados por Santa Maria. Medeiros aponta que há cerca de três anos a região busca autonomia de Santa Maria com uma central de monitoramento própria.


A sala já possui os equipamentos e funcionará dentro do IPPF. A rede também já foi instalada com recursos oriundos do Conselho da Comunidade do Sistema Penitenciário (CCSP) e da Vara de Execuções Penais e aguarda avaliação da Susepe. De acordo com Medeiros, novas tornozeleiras só devem chegar após a efetivação do espaço. Devido a um novo sistema instalado, todas as tornozeleiras passarão a funcionar com um novo modelo de operação, que ainda deve passar por um teste em outra casa prisional do estado. “Mas o Governo do Estado adquiriu 10 mil tornozeleiras. Não sei quantas devem vir para cá. Mas acredito que devem suprir as necessidades da regional”, defendeu.


Como o sistema ainda está em processo de instalação, Medeiros não soube precisar detalhes sobre o novo programa, já que quem passará a usar tornozeleiras deverá passar por um crivo do judiciário. Mas caso sejam permanecidos critérios já utilizados em sentenças proferidas, Medeiros aponta que 30 apenados do IPPF serão beneficiados com a implementação, já que estão na “fila” para recebimento da tornozeleira. Em toda a região, o número sobe para 130 – o que inclui os 30 do IPPF.


“Não sei se o juiz vai definir que o preso domiciliar também deverá usar. Tudo dependerá dos critérios definidos por ele, porque não cabe a nós definir”, pontua. Hoje 190 presos estão no sistema aberto. No sistema atual, as tornozeleiras possuem áreas de abrangencia e, em outros casos, rotas específicas e horários, que permitem aos presos do sistema aberto circular na cidade. A amplitude da área depende de cada caso. As tornozeleiras não incluem presos do regime fechado. “Mas quanto ao funcionamento da nova plataforma, modelos de tornozeleira, sistemática... aí só com a Susepe. Porque o que vai acontecer é uma troca de modelo de plataforma operacional, com mais tecnologia. E com certeza ajudará na descentralização, já que os apenados estarão sobre os olhos do monitor.”


Ainda não há prazo para a efetivação do sistema e início de operação. Segundo dados da Susepe, atualizados em março deste ano, o IPPF possui capacidade para 140 presos, mas conta com uma população carcerária de 243 apenados.

Gostou? Compartilhe