Família que morreu em Soledade viajava para casamento

Seis pessoas morreram no acidente

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Acompanhar o casamento de um parente no estado do Paraná, era o destino da família que morreu no acidente de trânsito durante a madrugada desta sexta-feira (30), na BR 386, em Soledade. Os seis ocupantes do Peugeot/207 devem ser sepultados hoje à tarde, na cidade de Canoas, onde residiam.

 

O acidente ocorreu por volta das 4h15 min, distante cerca de 10 quilômetros do trevo de acesso a Soledade. O Peugeot conduzido por Everton da Silva Geraldi, de 36 anos, seguia no sentido capital-interior, quando teria invadido a pista contrária e colidido frontalmente com uma caminhonete Volvo /40 de Bento Gonçalves.

 

Com a violência do impacto, a caminhonete foi jogada para fora da pista. Os dois veículos ficaram completamente destruídos. Além de Everton, morreram no local a esposa dele,  Jaqueline Amaral Erohin Geraldi, de 39 anos; seus pais, Ivanir Geraldi, de 61 anos, e Ana Lúcia da Silva, de 55 anos; e seu tio, Juarez Geraldi, de 47. O filho do casal, Lorenzo Erohin Geraldi, de seis anos, chegou a ser socorrido e levado para o Hospital, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.

 

O motorista da caminhonete,  João Miguel Borges Neto, de 34 anos, teve várias fraturas. Ele recebeu os primeiros socorros no hospital de Soledade, posteriormente precisou ser transferido para o Hospital São Vicente de Paulo. Segundo boletim médico divulgado no final da tarde de ontem. Ele passou por procedimento cirúrgico e  seu estado de saúde era considerado estável.

 

Durante levantamento no local do acidente, no quilômetro 236,4 da BR 386, não havia marcas de frenagem no asfalto. Responsável pelas investigações, o delegado Márcio Marodin, considera a hipótese de que o motorista do Peugeot tenha dormindo ao volante e invadido a pista contrária.

 

Segundo informações do jornal DC de Canoas, Everton era motorista profissional. Atualmente prestava serviços para alguns restaurantes e um shopping da cidade.

Gostou? Compartilhe