Justiça determina que Estado disponibilize segundo professor e monitor para adolescente com deficiência em Nonoai

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pedido do Ministério Público de Nonoai, em Ação Civil Pública, a Justiça determinou que o Estado do Rio Grande do Sul disponibilize a um adolescente de 16 anos, com quadro de deficiência intelectual, hiperatividade e epilepsia, um professor auxiliar especializado e um monitor para que possa desenvolver plenamente suas habilidades cognitivas. Ainda, foi deferida a tutela de urgência solicitada na ACP. O adolescente é aluno da Escola Estadual de Ensino Fundamental Adílio Doronchi, no interior do município de Nonoai.

Na ação ajuizada, a promotora de Justiça Michele Taís Dumke Kufner destacou que, mesmo com 15 anos, à época do ajuizamento, o adolescente não estava alfabetizado, necessitando de acompanhamento em tempo integral. “No início de 2017, o adolescente recebeu acompanhamento de monitor, manifestando significativas melhoras em seu desenvolvimento, mas tal acompanhamento foi interrompido pela saída do funcionário que realizava a tarefa”, descreveu.

A diretora da APAE de Nonoai relatou em ofício que o processo de desenvolvimento do aluno é lento, mas, se feito da maneira adequada, apresenta avanços impressionantes, razão pela qual é necessária a presença de professor capacitado, com recursos específicos. A educadora acrescentou que o adolescente pode permanecer em sala de aula com os demais colegas, mas com recursos educativos e auxílio necessário a sua aprendizagem.

Conforme a promotora Michele, com a ACP, buscou-se a tutela de interesse individual indisponível do adolescente, que é o seu direito básico à educação, previsto na Constituição Federal, que em seu artigo 205 determina que a educação é direito de todos e dever do Estado. Especificando no artigo 206, inciso I, que deve ser observado o princípio da igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em seu artigo 208, inciso II, reforça: “Regem-se pelas disposições desta Lei as ações de responsabilidade por ofensa aos direitos assegurados à criança e ao adolescente, referentes ao não oferecimento ou oferta irregular: (…) de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência”.

Gostou? Compartilhe