Operação Combustível Legal é deflagrada no interio do RS

Ação fiscalizou postos em Passo Fundo, Getúlio Vargas e Caxias do Sul

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Polícia de Proteção ao Consumidor (Decon), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), deflagrou a Operação Combustível Legal para coibir fraudes em bombas de combustíveis entre os dias 03 e 05 de fevereiro. A ação foi realizada em conjunto com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).
Segundo o delegado Joel Wagner, a fiscalização foi realizada nas cidades de Passo Fundo, Getúlio Vargas e Caxias do Sul. “Em Passo Fundo, o Inmetro constatou que a verificação volumétrica estava correta, porém os policiais civis verificaram indícios de que o lacre que dá acesso à regulagem da vazão de combustível nos bicos estaria violado (frouxo), permitindo o acesso ao mecanismo que regula a quantidade de vazão de combustível. Por essa razão, o instrumento foi interditado e o estabelecimento comercial submetido a sanções administrativas”, ressaltou o delegado.
Durante a manhã de quarta-feira (05), os policiais civis fiscalizaram um posto de combustíveis no bairro São Pelegrino, em Caxias do Sul. “Em Caxias do Sul, o Inmetro fiscalizou 16 bicos de abastecimento, sendo constatado que oito destes bicos de abastecimento apresentavam erros acima do permitido, ocasionando a entrega de menos combustível do que o comercializado pelo posto, resultando em prejuízo ao consumidor. As bombas consideradas irregulares foram interditadas pelo Inmetro até o saneamento das irregularidades detectadas. A fraude em bombas de combustíveis significa que o consumidor está pagando por uma quantidade do produto maior do que a que realmente foi colocada em seu veículo. Dessa forma, a Operação permite que o consumidor adquira combustível de qualidade e que seja compatível com todas as normas previstas em lei”, concluiu Wagner.

Gostou? Compartilhe