Pássaros silvestres são apreendidos em Passo Fundo

A ação foi uma operação conjunta entre o Batalhão Ambiental da Brigada Militar, a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e a Fepam

Por
· 1 min de leitura
Aves foram levadas para o Batalhão Ambiental durante a operação

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em operação realizada em conjunto com a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e a Fepam, o Batalhão Ambiental da Brigada Militar apreendeu 28 pássaros silvestres em três residências, na manhã de ontem (17), em Passo Fundo. À tarde, a ação teve desdobramentos em Erechim.
A partir de denúncias anônimas, já investigadas pelos órgãos em Porto Alegre, cinco criadores foram vistoriados no município. Em Passo Fundo, a operação foi coordenada pelo Major Laudemir da Rosa Gomes. Os animais estavam em gaiolas nos quartos, nas salas e nas cozinhas das residências ou em viveiros externos. Entre os animais apreendidos, havia aves de diversas espécies da mata nativa e até de pássaros que não são da região, como um canário peruano. A suspeita é que os animais seriam comercializados. Algumas das aves apresentavam indícios de falsificação nas anilhas, usadas para identificar os pássaros e evitar fraudes.
Os suspeitos assinaram um termo circunstanciado e foram liberados. Os animais apreendidos foram avaliados por veterinários e serão devolvidos à natureza ou irão para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Porto Alegre.
Legislação
Manter animais silvestres em cativeiro configura crime ambiental, nos termos da lei federal nº 9.605/1998. A pena para quem vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito é de detenção de seis meses a um ano e multa. O tempo de detenção pode aumentar a depender de agravantes como, por exemplo, quando o ato é praticado contra espécie rara ou considerada ameaçada de extinção ou se ocorre a morte do animal.
São considerados espécimes da fauna silvestre “todos aqueles pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de vida ocorrendo dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais brasileiras”.

Gostou? Compartilhe