PM é preso por envolvimento em assalto a banco

Ele é o quarto integrante da quadrilha que é preso por assaltar a agência do Banco do Brasil, em Sarandi, no início do mês de maio

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nesta quarta-feira, mais um integrante da quadrilha que assaltou a agência do Banco do Brasil em Sarandi, no dia 6 de maio, foi preso. Ele é policial militar em Sarandi e foi indiciado por roubo e formação de quadrilha.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Márcio Marodin, o policial militar não estava sendo tratado como envolvido e, sim, como vítima, já que foi feito refém, antes da quadrilha invadir a agência bancária. “Entre os dois policiais feitos reféns, antes do assalto, estava o indiciado. Nós continuamos com as investigações, após a prisão do terceiro envolvido, que apontaram para a participação dele”, esclarece.

O homem, que também é suspeito de realizar outros crimes, foi preso preventivamente, por ter colaborado com a ação. A Brigada Militar foi informada e também irá abrir um Inquérito Policial Militar contra o preso, por sua conduta indevida. “Nós já tínhamos três, dos quatro envolvidos presos, agora chegamos neste outro elemento. Então, temos, no mínimo, cinco envolvidos”, conclui.

Relembre o caso

Por volta das 11h30 de uma segunda-feira, em Sarandi, os criminosos renderam dois policiais militares e entraram na agência do Banco do Brasil, rendendo, também, os vigilantes e funcionários e roubando cerca de R$ 500 mil.

Antes de fugir, os criminosos ainda fizeram um escudo humano com os clientes que estavam na agência. Os criminosos fugiram e foram perseguidos por policiais civis e militares.

O automóvel em que os bandidos fugiam acabou capotando e os criminosos foram perseguidos até chegaram a uma revenda de máquinas agrícolas, onde fizeram, pelo menos, mais três reféns. Durante duas horas os criminosos mantiveram as vítimas sob a mira de armas pesadas e exigiram a presença da imprensa, de um promotor de Justiça e de um advogado, para ter garantias de que não seriam mortos pela polícia.

Após duas horas de negociações, dois criminosos concordaram em render-se. Os outros integrantes fugiram. Dez dias após o assalto, outro assaltante foi preso por agentes da Polícia Civil. O vulgo Babalu foi reconhecido por testemunhas, como sendo o indivíduo que se separou do grupo após o acidente que os assaltantes sofreram durante a fuga. O preso estava cumprindo pena em regime semi-aberto no Instituto Penal de Novo Hamburgo.

Gostou? Compartilhe