Dezesseis são transferidos após operação em presídio

Identificados como ?EURoelideranças negativas?EUR?, presos foram distribuídos em unidades do estado

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

A Operação Pente Fino 8 deflagrada na manhã de ontem (26) no Presídio Regional de Passo Fundo (PRPF) transferiu 16 presos e apreendeu drogas, celulares e armas brancas a fim de garantir a segurança na unidade. Os materiais apreendidos foram encaminhados para registro na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). 

 

A ação começou por volta das 5h e encerrou entre 9h30 e 10h. Segundo o delegado penitenciário regional, Alexo Wallau, ela foi deflagrada a partir de uma solicitação do Grupo de Intervenção Regional (GIR) que identificou a necessidade de recolha dos objetos.


De acordo com Wallau, os celulares, drogas e dinheiro recolhidos apontam para um comércio ilegal funcionando dentro do presídio, mantido, sobretudo, com apoio externo. A maioria acaba chegando aos detentos por meio de arremessos que vêm de fora para dentro. A superlotação – que chega ao déficit de 373 vagas – e o baixo efetivo são fatores apontados pelo delegado como empecilhos para que os agentes façam a recolha e apreensão no momento em que chegam ao pátio.


“Comércio existe em qualquer setor”, apontou Wallau. “Estamos próximos e dentro de um bairro populoso que é o bairro são Luiz Gonzaga. Então a grande maioria das coisas vem através dos arremessos. Isso diminuiu bastante depois que o pessoal da Intervenção veio dar apoio, aonde foram presos quatro maiores de idade por tráfico de drogas, recolhidos no [Presídio] Regional. Ontem [segunda-feira] foi preso um maior e um menor com 580 gramas de maconha. Mas se temos entre oito e dez agentes em uma pátio com 200 presos e uma situação de repasse é identificada, é humanamente impossível que façamos o resgate do material ilícito”, defendeu.


A transferência de 16 presos foi somada à ação a fim de que esse mercado possa ser contido dentro do cárcere.
Wallau não citou para quais penitenciárias foram encaminhados, mas apontou que todos eles eram “simpatizantes” de alguma facção e foram identificados como “lideranças negativas” dentro da unidade.


“De algum jeito tinham alguma ligação [com facções], mas eles não se auto-determinam. Então essas principais lideranças, que impactavam na questão de liderança negativa, ou de manutenção de alguma venda de droga, foram removidas hoje, em complementação da operação”, destacou, dizendo que a influência negativa tinha a ver com questões relacionadas à segurança e disciplina interna, envolvendo até ordens externas, repassadas por meio dos celulares.


Medidas
Questionado sobre a recorrência de apreensões desse tipo, Wallau alegou que “evitar 100% é bastante difícil”. Como medidas que possam ajudar a frear o porte de ilícitos e o comércio ilegal, ele aponta de imediato um projeto para a criação de uma cobertura em ambos os pátios do Presídio Regional de Passo Fundo feita com uma tela de malha fina.


Segundo Walau esse projeto já está “aprovado” e deve reter na tela qualquer objeto que passe por cima dos muros do presídio.
“Mas a medida necessária é a criação de vagas para o regime fechado. A medida mais imediata. Mas esse é um contexto muito complexo porque envolve muitas áreas. Existem vários encaminhamentos para que isso ocorra, de médio a longo prazo”, disse.


Operação
A ação da manhã de ontem contou com 70 agentes da 2ª, 3ª, 4ª, 9ª e 10ª região penitenciária, inteligência da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe), Grupo de Intervenção Regional (GIR), Brigada Militar, Polícia de Choque, Pelotão de Operação Especial (POE), Rondas Ostensivas com Apoio de Motos (Rocam), Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel e Urgência (Samu) e Guarda Municipal.


Não foram encontrados princípios de túneis e, de acordo com Wallau, não houve brigas. Os agentes usaram bombas de efeito moral para chegar aos espaços. Foram vistoriadas 36 celas, 7 do seguro, 3 alojamentos masculinos, 2 alojamentos femininos, uma cela de trabalho e cozinha geral, todas do regime fechado.

 

Apreensões
171 celulares
127 baterias de celular
8 balanças de precisão
110 facas artesanais
3 tesouras
100 porções de cocaína
447 porções de maconha
117 porções de crack
4 frascos com farelo de crack
Dinheiro (valores não foram divulgados)

Gostou? Compartilhe