Jovem que morreu em acidente não teria roubado caminhonete

Após investigações, polícia concluiu que o dono do veículo estaria sim, bebendo na companhia dos jovens, porém não houve roubo de veículo

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) segue as investigações da morte do jovem Alan Diego Frazão da Silva Vieira, ocorrida em um acidente de trânsito na madrugada do dia 11 de maio deste ano.

A primeira versão do proprietário da caminhonete S-10 dirigida por Alan, dava a entender que se tratava de um caso de roubo, e que o jovem teria morrido durante a fuga. As investigações, coordenadas pelo delegado Mário Pezzi desmentem esta versão.
De acordo com o delegado, que não entrou em detalhes quanto ao conteúdo do inquérito, a hipótese de roubo foi descartada pela investigação. “Conseguimos apurar que não houve roubo, mas não posso divulgar mais detalhes”, disse.

De acordo com a versão do proprietário do veículo, de 46 anos, ele teria encontrado os três jovens que acabaram se envolvendo no acidente em um posto de combustíveis na Avenida Presidente Vargas onde eles assistiram a um jogo de futebol. Também segundo a versão do proprietário do veículo, os jovens o teriam convencido a irem para uma boate. Na saída ele alegou ter sido rendido pelos jovens armados que o teriam libertado no bairro Planaltina e fugido com a caminhonete. O homem então retornou ao posto de combustíveis, onde bebido cerveja com os jovens.

No trajeto o adolescente perdeu o controle da caminhonete e bateu contra um muro e acabou morrendo no local. Os outros dois jovens que estavam com a vítima fugiram após o acidente. Conforme o delegado Pezzi, os outros dois jovens se apresentaram na DPCA e prestaram depoimento. “Ficou provado que o dono do veículo estava bebendo com os jovens. O que ainda não está muito claro é se ele cedeu o veículo para eles ou se eles simplesmente pegaram”, afirmou. Os jovens que sobreviveram ao acidente não têm antecedentes criminais. A vítima fatal do acidente também não possuía passagens pela polícia.

Gostou? Compartilhe