Perícia aponta que Rafael Mateus Winques foi estrangulado

Polícia investiga se mais pessoas, além da mãe do menino, participaram do crime

Por
· 1 min de leitura
Portal TchêPortal Tchê
Portal Tchê

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (26), a Polícia Civil detalhou a investigação sobre a morte de Rafael Mateus Winques, 11 anos, na cidade de Planalto. O diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI), delegado Joerberth Nunes, o deu detalhes do crime que chocou a cidade, de aproximadamente 10 mil habitantes.

A polícia havia sido comunicada do desaparecimento na sexta-feira (15), pela mãe do garoto, que disse que ele sumiu de casa enquanto dormia. Não havia sinal de arrombamento. Entretanto, nesta segunda-feira (25), a mãe do garoto confessou que matou ele depois de ter administrado remédios, com o objetivo de acalmá-lo, pois estava agitado. O corpo de Rafael foi encontrado em uma casa vizinha a residência da família, enrolado em um lençol e dentro de uma caixa. Os proprietários do imóvel onde o garoto foi encontrado estão viajando.

Nesta manhã foi confirmada a informação da perícia de que o garoto foi estrangulado. Segundo o delegado Joerberth Nunes, a polícia ainda apura se houve realmente a administração de algum tipo de remédio. Essa perícia depende de análise laboratorial e ainda está sendo realizada, porém, a principal suspeita é que ele tenha sido estrangulado. “Se ele foi esganado no interior da residência, certamente ele reagiu. Teria gritado. O irmão que estava no quarto ao lado, teria que ter ouvido algo. O irmão diz que não viu nada durante a noite. É uma hipótese de (ela) ter dopado a criança, levado para a residência ao lado e ter feito a esganadura na criança”, afirmou. A polícia apura se houve participação de outra pessoa no crime.

Gostou? Compartilhe