Sistema bloqueia celulares em presídio

O dispositivo suga o sinal não permitido que os apenados concluam ou recebam as ligações

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em outubro de 2012 um software que bloqueia ligações de celulares em presídios foi instalado em sigilo no Centro de Detenção Provisória de Mogi das s A Folha de São Paulo, publicou que o sistema apresentou um aproveitamento de 100%, até agora, segundo relatório que está em poder do governador Geraldo Alckmin. Os testes tiveram autorização da SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), já que os celulares são uma grande arma para o crime organizado agir de dentro das prisões.

O dispositivo interferiu, apenas, em celulares dentro da prisão, o que levou apenados a realizar tentativas de chamados para os SACs (Serviço de Atendimento ao Cliente) das operadoras, a fim de descobrir o problema e resolvê-lo.

Chips são detectados.

Somente para o SAC da TIM, foram identificadas 23 tentativas de reclamações nos três primeiros dias.

Segundo o relatório, foram detectados nos primeiros nove dias de testes 1.513 chips dentro da prisão, que abriga 2.042 detentos. O número inclui os aparelhos de 264 agentes e funcionários, bem como das visitas, todos bloqueados.

O sistema (ou software) bloqueia qualquer tipo de celular, seja de tecnologia comum, 3G ou rádio (Nextel), e é produzido pela empresa Innovatech.

Ao contrário dos presos, que ficaram sem se comunicar com seus contatos exteriores, os funcionários sabiam sobre a instalação do novo software.

Gostou? Compartilhe