Área Integrada de Segurança Pública é criada em Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O governador Eduardo Leite, assinou na tarde de quarta-feira (30), a criação de Áreas Integradas de Segurança Pública (AISP) nas cidades de Pelotas, Rio Grande e Passo Fundo. Com a integração do policiamento nessas regiões, sobe para 16 o número de cidades com compatibilização das áreas de atuação pela Polícia Civil e Brigada Militar. A medida faz parte das ações do programa RS Seguro para os 23 municípios priorizados pelo planejamento estratégico.

A AISP consistem na compatibilização das áreas territoriais de atuação nos municípios pela Brigada Militar e a Polícia Civil, potencializando a integração e a atuação conjunta na resolução dos problemas relacionados com a criminalidade.

Além disso, a compatibilização das áreas de atuação possibilita o trabalho conjunto na identificação dos pontos de atenção, na priorização dos problemas a serem enfrentados, no desenvolvimento dos planos de ação e no acompanhamento os resultados.

O comandando do CRPO Planalto, cel André Idalmir Savian Giuliani considerou extremamente positiva a criação da AISP em Passo Fundo, e destacou que esta é uma medida que tem o objetivo de aproximar as forças de segurança no combate à criminalidade. “A Polícia Civil e a Brigada Militar vão falar a mesma linguagem na questão da criminalidade. Esta medida vem ao encontro do que sempre queremos, que as ações da Brigada e Polícia Civil estejam em conjunto”, ressaltou ele. 

O comandante explicou que estando dentro da mesma análise territorial, tanto o comandante do Esquadrão da Brigada Militar, quanto o delegado titular da Delegacia de Polícia, vão trocar informações, e isso vai ajudar na prevenção e resolução dos crimes. Para ele, a aproximação da BM e da PC faz com que as análises de dados, possibilitem, por exemplo o trabalho ostensivo em áreas onde é necessário a presença policial. “Cada região da cidade tem as suas peculiaridades em relação à criminalidade, em alguns locais o problema são os furtos, mas em outra o problema é o tráfico, por exemplo, e as ações integradas entre as delegacias e o esquadrão da Brigada Militar, canalizam as ações de forma conjunta”, explicou o comandante Giuliani.

Gostou? Compartilhe