Aprovação de lei facilita acesso a financiamento e plantio para agricultores urbanos

Política de agricultura urbana e periurbana de Passo Fundo foi regulamentada na última semana

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Com a promulgação da lei de agricultura urbana e periurbana de Passo Fundo, publicada na sexta-feira (9), o agricultor ou instituições comunitárias que adotam o sistema de plantio para consumo próprio, na cidade, poderão acessar financiamentos e demais políticas públicas agrícolas para investir em hortas domésticas. 

A finalidade, segundo o texto que detalha o novo regulamento, é estimular a produção sustentável de alimentos no meio urbano e nas localidades periféricas que pertencem ao município “buscando a segurança alimentar e nutricional, inclusão social e produtiva, e à melhoria da qualidade de vida das famílias”. O secretário do Interior de Passo Fundo, Antônio Bortolotti, lembra que a distribuição de sementes é feita de forma gratuita aos moradores para gerir pequenos cultivos. “Também temos o trabalho junto às creches e escolas, e o trabalho de assessoria prestada por engenheiros agrônomos”, mencionou. 

A Política Municipal de Agricultura Urbana e Periurbana, como lembra o embasamento da lei, é um dos instrumentos da Política Agrícola do Rio Grande do Sul com ações integradas aos planos plurianuais, de safras e planos operativos praticadas nos perímetros urbanos das cidades e conectadas ao sistema ecológicoeconômico. Conforme a classificação da modalidade, o cultivo, a produção, a criação, o processamento artesanal e a distribuição de uma diversidade de produtos alimentares e não alimentares destinados para consumo próprio e abastecimento local, priorizando a utilização dos recursos humanos e materiais, produtos e serviços locais, estão garantidos dentro da norma. 

Além de estimular pontos de agroecologia e produção de alimentos orgânicos, a nova lei também garante a possibilidade de troca ou venda do excedente produtivo em circuitos de cadeias curtas e a abertura de zonas agricultáveis, no perímetro urbano, em imóveis públicos e privados, “priorizando a utilização de espaços ociosos e a recuperação de áreas degradadas”. 

Quem pode aderir

Segundo especifica o documento legal, o programa de política municipal de agricultura urbana é voltado, sobretudo, às pessoas ou grupos em situação de vulnerabilidade social e de insegurança alimentar e nutricional, beneficiários assistidos pela Assistência Social e de saúde, as comunidades escolares, artesãos e moradores que cultivam hortas comunitárias em seus respectivos bairros de moradia. 

Financiado por recursos orçamentários do Município e valores do sistema público de financiamento estadual e federal, especialmente os destinados para população de baixa renda e microempreendedores, os agricultores urbanos devem formalizar um cadastro junto à Secretaria do Interior para acessar as linhas de crédito, assistência técnica e sementes, como afirmou o secretário Bortolotti. 

Gostou? Compartilhe