PIRACEMA: Batalhão Ambiental já apreendeu mais de 6 mil metros de espinheis

Por
· 1 min de leitura
Arquivo/ONArquivo/ON
Arquivo/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Na região de Passo Fundo a fiscalização da piracema foi antecipada, pois a região contempla o Rio Uruguai, e alguns trabalhos são realizados em parceria com a fiscalização ambiental de Santa Catarina

Todos os anos o Batalhão Ambiental da Brigada Militar intensifica a fiscalização durante a época da piracema. Este é um período reprodutivo muito importante para diversas espécies de peixes, incluindo aquelas ameaçadas de extinção. O objetivo das ações realizadas neste período é coibir a pesca ilegal e proteger as espécies e o meio ambiente.

Na região, a piracema acontece sempre no período da virada do ano. No Rio Grande do Sul, o lançamento oficial da fiscalização da piracema aconteceu na última quarta-feira (4). Entretanto, o 3° Batalhão Ambiental da Brigada Militar, com sede em Passo Fundo, antecipou este período, e a fiscalização iniciou no dia 1º de outubro. O Comandante do terceiro Batalhão, major Laudemir da Rosa Gomes, explica que a antecipação se deve à área de abrangência de fiscalização, que contempla o Rio Uruguai, e alguns os trabalhos são feitos de forma conjunta com as forças de seguranças de Santa Catarina.

Segundo o levantamento do Batalhão Ambiental de Passo Fundo, neste primeiro mês de fiscalização, já foram apreendidas 4.380 metros de redes de pesca; 428 unidades de boias loucas; 6.100 metros de espinheis, e 39 tarrafas. Durante os trabalhos, foram abordados e fiscalizadas 73 embarcações, e apreendidos peixes mortos e vivos, e que são devolvidos para as águas.

Além do Rio Uruguai, foco de constante fiscalização, a operação também direciona suas atenções nas barragens da região, como Ronda Alta, Capingui e Ernestina.

A fiscalização ambiental alerta que as regras para a pesca seguem as mesas do ano passado, e que o pescador pode utilizar apenas uma vara de pesca normal, sem carretilhas ou molinete. A utilização de barcos a motor também fica proibida e o pescador poderá capturar até 5 kg de peixes. O pescador que for flagrado descumprindo essas normas, responderá pelo crime ambiental de acordo com a Lei 9.505/98 além da multa.

As fiscalizações da piracema vão aconteceu no Rio Grande do Sul até o dia 31 de janeiro de 2021. 

Gostou? Compartilhe