Presídio de Sarandi recebe doação de livros para equipar biblioteca

Coleção de 200 exemplares será destinada à educação dos detentos sob custódia na casa prisional

Por
· 1 min de leitura
Antonio Bavaresco/SeapenAntonio Bavaresco/Seapen
Antonio Bavaresco/Seapen
Você prefere ouvir essa matéria?

O Presídio Estadual de Sarandi é um dos 11 complexos prisionais gaúchos que receberam 200 exemplares de livros de literatura geral, nacional e estrangeira para equipar e atualizar o acervo literário à disposição dos mais de 180 detentos sob custodia na casa prisional.

Junto ao Presídio Estadual de Espumoso, para onde também foi destinada a mesma quantidade de obras físicas, esses centros de detenção foram os únicos da 4ª Delegacia Penitenciária Regional, da qual Passo Fundo faz parte, contempladas pelo Projeto Pró-Biblioteca, da Editora L&PM, que o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) apoia via Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Ao todo, são 3.366 apenados que se beneficiarão dessa iniciativa, que busca oferecer uma opção educativa e cultural, segundo explicou a assessoria de imprensa da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), e contribuir para o desenvolvimento pessoal e a ressocialização desse público. “O projeto tem como missão incentivar a literatura entre a população que utiliza os acervos das bibliotecas comunitárias no país, sendo uma oportunidade de investimento na qualificação humana”, afirmou a instituição por meio de um comunicado.

Seleção

O processo de seleção dos estabelecimentos para o programa Pró-Biblioteca aconteceu em conjunto com o Departamento de Políticas Penitenciárias da Seapen e a Divisão de Educação Prisional do Departamento de Tratamento Penal da Susepe. Foram considerados para seleção requisitos como a necessidade de ampliar o acervo e para as que desenvolvem projetos de leitura e atividades de escrita com os apenados e estabelecimentos com processos de implantação de NEEJAS, abertos na Secretaria Estadual de Educação que ainda não possuíam acervo de leitura; estabelecimentos prisionais que possuem NEEJAS ou turmas decentralizadas que necessitavam de ampliação do acervo; casas prisionais que não possuem projetos de educação formal, mas que realizam atividades de leitura com acervo muito pequeno ou antigo e centros de detenção que informaram que pretendem desenvolver atividades de leitura e escrita no próximo ano.

Pró-Biblioteca

O Projeto Pró-biblioteca é chancelado pela Lei Rouanet de incentivo à cultura, para equipar e atualizar as bibliotecas públicas, com a finalidade fundamental de colaboração na formação dos brasileiros. Tem também como missão incentivar a literatura entre a população que utiliza os acervos das bibliotecas comunitárias no país, sendo uma oportunidade de investimento na área educacional voltada às instituições comunitárias, escolas, presídios e bibliotecas públicas. A iniciativa já foi aderida por mais de 40 empresas brasileiras desde seu início, numa ação que já beneficiou mais de 4,9 milhões de pessoas, 1.242 escolas, em 260 municípios localizados no interior e nas capitais brasileiras.


Gostou? Compartilhe