MP arquiva processos contra deputado Juliano Roso

Os processos foram instaurados após acordo de delação premiada feita pelo ex-deputado estadual, Diógenes Basegio

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“Outro caminho não há senão o arquivamento desta investigação”, a afirmação é do Procurador Geral de Justiça do Ministério Público do Estado, Fabiano Dallazen, sobre os processos instaurados contra o deputado estadual Juliano Roso (PCdoB), a partir da delação premiada de Diógenes Basegio.


A decisão foi publicada no dia 20 e 27 de julho. Na decisão, Dallazen, aponta ausência de provas capazes de comprovar as supostas atividades ilícitas, das quais o deputado era acusado. Os processos foram instaurados após acordo de delação premiada feita pelo ex-deputado estadual, Diógenes Basegio.


Juliano foi investigado por possível apropriação de vencimentos do servidor, Deomar César Henkes, nomeado para cargo em Comissão na Assembleia Legislativa e era questionado quanto a legalidade da atividade exercida pelo funcionário. Em outro processo, Juliano era investigado por suspeita de manter o servidor comissionado, Nilton Cleber de Oliveira, como funcionário fantasma.
A decisão pelo arquivamento se deu diante da inconsistência e fragilidade das provas apresentadas pelo delator.
Conforme relato de Dallazen na decisão fica claro que a deleção foi perseguição política “ [...] acusação aventureira, sem a consistência da responsabilidade social. [...] não havendo indícios probatórios suficientes a comprovar as declarações envolvendo os investigados em atividades ilícitas, tem-se como impertinente a deflagração da persecução criminal, sendo impositivo, como corolário o arquivamento do feito”, analisa Dallazen no documento.

 

Juliano sempre destacou que a deleção foi motivada por vingança, por ter presidido a Comissão de Ética durante o processo de investigação que culminou na perda do mandato do delator, comprovada pelas denúncias vazias.

 

“Saio fortalecido e sigo com a minha responsabilidade ética em relação ao mandato que cumpro na Assembleia Legislativa. A justiça foi feita e está claro nos autos do processo que contribui com a investigação e que tal delação nunca teve fundamento. Foi vazia e vingativa. Motivada pelo ódio. Minha consciência sempre esteve tranquila, pois honro os votos que recebi para estar no parlamento. A justiça comprova que jamais tomei uma atitude que pudesse desonrar o meu partido, a minha família, meus amigos e meus eleitores. Aos quais agradeço imensamente pelo carinho, apoio e confiança que recebi ao longo do processo. Sigo firme e com um ânimo ainda maior em continuar a contribuir para uma sociedade mais justa para todos os gaúchos”, finaliza Juliano.


O advogado Rodrigo Vieira, que atuou na defesa do Deputado Juliano Roso, enfatiza que a linha defensiva, desde o início, foi de colaboração com as investigações, exatamente pela confiança na inocência do deputado. Abrimos mão dos sigilos bancário e telefônico do Deputado Juliano, tudo para agilizar a comprovação de que as delações não passavam de vindita política, conclui o advogado Rodrigo Vieira.

Gostou? Compartilhe