Os números

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os argumentos usados pelo governo do Estado para classificar a região de Passo Fundo como de alto risco com a bandeira vermelha, determinando o fechamento do comércio e outros serviços, não leva em consideração que a cidade testou mais do que outras. Um dos critérios adotados tem por base o estudo da Ufpel apontando que, para cada teste positivo existem 12 infectados. Os dados foram divulgadas na quarta-feira depois da coleta da segundo amostra no fim de semana. Sendo assim, com 155 casos confirmados, Passo Fundo elevaria seu número para 1.860. Mas a questão é: como se explica o baixo número de casos confirmados em Caxias do Sul, uma cidade pólo de região metropolitana com 404 mil habitantes? Não é possível que o município de Marau, com 44 mil habitantes, 10% da população de Caxias, tenha 69 casos enquanto a cidade da Serra registra 52. E, em Santa Maria, com 277 mil habitantes e apenas 30 casos? Pelotas tem 300 mil habitantes e, segundo o último mapa da secretaria, constam apenas 21 testes positivos. Ninguém está imune ao vírus e a lógica é quanto mais populosa, mais infectados.

Dados

Não há coincidência de dados entre os boletins dos municípios, das coordenadorias e da secretaria estadual da saúde. Soledade é um dos exemplos. Há dias aparece com dois casos no mapa do Estado, mas a prefeitura já atualizou para 17 testes positivos. Pontão, município de 4 mil habitantes, tem três casos confirmados, mas no mapa consta com um caso. Os números que não alteram ou alteram pouco são justamente os quatro primeiros: Porto Alegre, Passo Fundo, Lajeado e Marau. Os números oficiais do mapa do coronavírus parecem mascarar a realidade de outras regiões.

Região

A bandeira vermelha atinge 62 municípios da região de Passo Fundo, muitos sem nenhum casos de coronavírus. A região de Lajeado é outra a ter que fechar o comércio. São 32 municípios ao todo. Vindo como uma determinação obrigatória do Estado, a questão é: quem vai fiscalizar?

Razões

Os números se elevaram em Passo Fundo por conta dos casos registrados na JBS – 48 confirmados com 4 óbitos relacionados, e dos 18 casos de idosos da Casa de Longa Permanência Nossa Senhora da Luz. Mas, nesse momento, não têm relação direta com a abertura do comércio no dia 14, que serão percebidos a partir de agora. A ação do coronavírus deve ser analisada olhando no retrovisor. Ele leva até cinco ou seis dias para se manifestar, quando desenvolve sintomas, e mais alguns dias até a comprovação.

Três meses

Analisando o resultado da pesquisa da UFPEL, que indica que o Estado tem 15 mil infectados, o médico Julio Stobe, diretor do Campus da UFFS, fez um cálculo e estima que alcançaremos o máximo de imunidade em Passo Fundo em três meses. Este dado mudará dependendo da velocidade do contágio. Se for mais lento pode levar mais tempo e se for mais rápido, pode se transformar em tragédia. Precisa ser na medida da capacidade de atendimento médico-hospitalar.

Desgovernado I

Não são decisões fáceis de serem tomadas tanto para governadores, como para prefeitos e talvez esse conflito entre municípios e estado fosse dirimido se houvesse uma linha única de ação. Mas isso está longe de acontecer. O país está à deriva. Quem deveria estar tomando a frente de tudo decidiu lavar as mãos, não tomar conhecimento da tragédia com quase 6 mil mortos e ainda jogar no colo dos gestores estaduais e municipais qualquer responsabilidade.

Desgovernado II

Não bastasse, criou várias crises políticas em meio a pandemia e continua a desafiar a ciência, passeando a aglomerando pessoas por onde passa. Jair Bolsonaro é o pior governante no combate a pandemia, perdendo apenas para dois ou três ditadores negacionistas e malucos ao redor do mundo. A incapacidade, desumanidade e deboche do presidente em relação a triste realidade é repugnante. Pior é quem cegamente aplaude esse desastre.

E daí?

Para nunca ninguém esquecer que um dia, um presidente da República do Brasil desdenhou diante de mais de 5 mil mortes por Covid-19 com a seguinte frase: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre",

Relacionadas

Gostou? Compartilhe