Passo Fundo ferveu na sexta-feira

Na espera por Lula, manifestantes isolados, ovos e até tratores na cidade

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A sexta-feira foi antagônica. Começou nublada, teve uma chuvarada no final da manhã e uma tarde ensolarada. No centro de Passo Fundo o clima esteve quente, nos termômetros e nos ânimos. Era grande a expectativa em relação à chegada da Caravana de Lula. O novo local, a Esquina Democrática da Avenida Brasil com a Bento Gonçalves, recebia apoiadores de Lula ainda pela manhã. Depois chegou um caminhão com um palanque montado e equipado com sistema de alto-falantes. Ficou na frente do Banco do Brasil e iniciaram-se as manifestações de lideranças do PT, sindicais e de outras entidades. O antagonismo não custou a marcar presença, pois manifestantes contrários ao ex-presidente Lula aproximaram-se do local. Enfim, chegou a Guarda Municipal e interrompeu o trânsito na Bento. Logo veio a Brigada Militar e isolou prós e contras.

Duas correntes

Na Brasil o trânsito ficou interrompido no sentido Centro Petrópolis e o BOE assumiu o isolamento entre as duas correntes. Na Bento ficou a turma que aguardava Lula. No canteiro central seus opositores. O BOE chegou e ficou perfilado, recebeu aplausos dos dois lados. Foi o único momento em que houve concordância entre as duas partes. Logo os Gritos de ordem de um lado recebiam respostas do outro. Logo, porém, além das respostas verbais a turma contrária à manifestação atirou ovos e tomates nos simpatizantes de Lula. O carro-palanque foi afastado e, por segurança, a BM ampliou seu isolamento. Os gritos de ‘Lula presidente’ recebiam o nome ‘Bolsonaro’ como resposta. Mais ovos e a tensão aumentou. Porém, próximo das 16 horas, o cansaço era visível, pois muitos aguardavam por Lula e Dilma desde a manhã.

Frustração e buzinas

O tempo foi passando e os organizadores do ato informaram que, por questões de segurança, a caravana não viria mais. O deputado Marco Maio classificou os obstáculos criados para a Caravana de Lula como “atos fascistas de um estado de exceção”. A frustração da militância petista e dos simpatizantes de Lula foi muito grande. Algumas lágrimas e gritos de ordem marcaram a saída do local, que, por segurança, foi em direção à Praça Marechal Floriano. Já pelo outro lado, as provocações persistiram com alguns carros buzinando. Em tom de comemoração, alguns tratores e um caminhão desfilaram pela Avenida Brasil. Afinal, numa sexta-feira antagônica até as máquinas agrícolas invadiram a paisagem urbana.

 

Gostou? Compartilhe