Pela primeira vez ex-presidente da República preso por crime comum no país

Condenado no caso do triplex em Guarujá (SP), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva responde a seis ações penais, além de ter sido denunciado em outras duas

Escrito por
,
em
No sábado, antes de se entregar à Polícia Federal, Lula participou de uma celebração em memória de sua esposa e discursou por cerca de uma hora. Muitas pessoas manifestaram apoio ao ex-presidente

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o primeiro presidente da República do Brasil preso por crime comum. Condenado a 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro, ele ficará preso em uma sala especial da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Lula se entregou à Polícia Federal no início da tarde de sábado, pouco mais de 24 horas depois do prazo determinado pelo juiz Sérgio Moro, que se encerrou às 17h de sexta-feira. Desde que a prisão foi decretada na quinta-feira, Lula permaneceu na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). Muitas pessoas permaneceram no local em sinal de apoio ao petista.

A negociação para que o ex-presidente se entregasse iniciou ainda na sexta-feira e se estendeu para o dia seguinte. No sábado, desde as primeiras horas da manhã, havia a expectativa pelo momento em que Lula se entregaria à Polícia Federal.  No mesmo dia, uma missa em homenagem à esposa Marisa Letícia foi celebrada e durante toda a celebração, em vários momentos, os participantes gritavam e pediam para que ele não se entregasse. Em cima do caminhão de som e ao lado de aliados, como a ex-presidente Dilma Rousseff; o presidente estadual do PT, Luiz Marinho; os ex-ministros Fernando Haddad e os pré-candidatos à Presidência Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D'Ávila (PCdoB), ele discursou por quase uma hora.

Prisão

Lula fez duas tentativas de se entregar à Polícia Federal. Na primeira, ele tentou deixar a sede do Sindicato dos Metalúrgicos em um carro, acompanhado do advogado, mas militantes fizeram um cordão humano e impediram a saída do veículo. Na segunda vez, ele deixou o prédio onde estava a pé e, acompanhado de muitos militantes, foi ao encontro dos agentes da Polícia Federal que o conduziram até o Aeroporto de Congonhas de onde seguiu à sede da PF em Curitiba, onde permanece detido.

Chegada em Curitiba

Ainda na noite de sábado, oito pessoas ficaram feridas durante as manifestações ocorridas com a chegada de Lula a Curitiba. Três dos oito feridos eram crianças, um policial militar e os demais manifestantes favoráveis ao ex-presidente. Na Superintendência da Polícia Federal (PF), o ex-presidente ficará em uma sala especial que foi reservada para ele. O local funcionava como dormitório para agentes da PF e foi transformada em uma sala de Estado Maior para recebê-lo. No espaço, há apenas uma mesa, uma cadeira, uma cama e um banheiro. Há ainda uma janela que dá vista para a parte interna do prédio.

Condenação e denúncias

Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por ter recebido um triplex no Guarujá (SP) em vantagem indevida para beneficiar a construtora OAS. As negociações envolveram, segundo as investigações, R$ 2,4 milhões. Ele ainda responde a seis ações penais, além de ter sido denunciado em outras duas. Há duas ações em andamento em Curitiba (PR), nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, e outras quatro em Brasília, sob a responsabilidade da 10ª Vara Federal.

Paralelamente, o ex-presidente é alvo de duas denúncias: uma que trata de suposto benefício ao lado da cúpula do PT e outra sobre a nomeação para ser ministro da Casa Civil do então governo de Dilma Rousseff.

Ações na 13ª Vara Federal de Curitiba (PR)

- Acusado de ganhar reformas e móveis em um sítio de Atibaia (SP) como pagamento de fraudes na Petrobras.

- Acusado de ganhar imóveis da empresa Odebrecht em troca de contratos da petrolífera.

Data em que virou réu: 19/12/2016

 

Ações na 10ª Vara Federal de Brasília (DF)

- Acusado de tentar evitar a delação premiada de Nestor Cerveró,  ex-diretor da Área Internacional da Petrobras

- Acusado de fazer o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) ajudar a Odebrecht em troca de palestras remuneradas.

- Acusado de comprar caças suecos e manter benefícios fiscais da Medida Provisória 627/2003, em troca de R$ 2,5 milhões a uma empresa de Luís Cláudio Lula da Silva, filho de Lula.

- Acusado de vender Medida Provisória 471/2009 para montadoras.

 

Denúncias

- PT

Acusações: organização criminosa, cartel, corrupção e lavagem de dinheiro. Lula foi acusado  ao lado do comando do PT de cobrar ilegalmente R$ 1,485 bilhão de reais usando a administração pública.

- Nomeação ministerial

Lula é denunciado por obstrução de Justiça por ter supostamente articulado com a ex-presidente Dilma Rousseff sua nomeação como ministro-chefe da Casa Civil, na tentativa de obter foro privilegiado e escapar das investigações do juiz Sérgio Moro. A nomeação foi impedida pelo STF e, depois do impeachment de Dilma, o caso passou para a Justiça comum. Esta denúncia está na primeira instância.

História

Antes de Lula, cinco ex-presidentes da República foram detidos só que por motivações políticas. As prisões começaram com Hermes da Fonseca, no começo do século 20, depois, Washington Luís e Arthur Bernardes, nos anos de 1930, Café Filho, na década de 1950, e Juscelino kubitschek, durante a ditadura militar.

Gostou? Compartilhe