Protestos impedem chegada de Lula a Passo Fundo

Manifestantes bloquearam rodovia com máquinas agrícolas e incendiaram pneus

Escrito por
,
em
Protestos bloquearam rodovia com tratores e pneus incendiados

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A preocupação de que a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teria em Passo Fundo, a recepção mais hostil durante sua passagem pelo Rio Grande do Sul acabou se confirmando. Centenas de manifestantes contrários, se posicionaram, ainda pela manhã, na RS 324, para impedir a passagem dos três ônibus com a comitiva. Eles usaram tratores para bloquear a pista. A Brigada Militar revidou com bombas de efeito moral para dispersar o tumulto e liberar a passagem dos veículos. Uma pessoa chegou a ser detida. Diante do clima tenso, o ex-presidente Lula, que havia iniciado a caravana ontem, pela cidade de Ronda Alta, decidiu suspender o ato que estava marcado para às 13h, no centro de Passo Fundo. Ele viajou de carro, de Pontão até Chapecó, e depois seguiria a Porto Alegre em um voo executivo. À noite, participaria do último ato da caravana no Rio Grande do Sul, na cidade de São Leopoldo. 

A expectativa de que o clima seria tenso ontem, já vinha se desenhando durante a semana, com uma série de manifestações de grupos contrários. Uma delas partiu de quatro vereadores de Passo Fundo que ingressaram com uma ação popular na Justiça Federal, na tentativa de impedir o ato, que inicialmente estava marcado no Campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFFS), sob alegação de uso político-partidário da instituição. Mesmo o judiciário tendo indeferido o pedido, a direção da caravana resolveu transferir o ato para a Avenida Brasil, centro. A troca de mensagens, via aplicativos, entre organizadores do protesto, também apontavam para reações mais fortes.

Ainda pela manhã, os manifestantes, organizados pelo Sindicato Rural, iniciaram a concetração na RS 324, entrocamento com a BR 285. O local é um dos principais acessos a Passo Fundo. Eles estacionaram tratores e caminhões nos dois lados da rodovia. Usando faixas e cartazes, entoavam frases contra o ex-presidente. Enfileirados, aguardavam a passagem dos três ônibus da comitiva, segurando ovos, relhos, correntes e pedaços de pau. "Estamos aqui para impedir que ele (Lula) entre em Passo Fundo", disse um dos manifestantes.

A situação ficou mais tensa, por volta das 15h. Com a notícia de que a caravana estava se aproximando, proprietários rapidamente 'jogaram' os tratores para cima da rodovia e abandonaram as máquinas, bloqueando totalmente a via em ambos os sentidos.
Alguns manifestantes sentaram no asfalto e começaram a cantar o hino do Rio Grande. Policiais do 3º Batalhão de Operações Especiais (BOE), jogaram bombas de efeito moral e conseguiram dispersar o grupo. Na ação, o motorista de um dos tratores chegou a ser detido. Em outro ponto da rodovia, eles espalharam pneus na pista e atearam fogo. Os bombeiros tiveram de ser acionados para conter as chamas. O trânsito permaneceu bloqueado nos dois sentidos por mais de uma hora. Um helicópetro da BM sobrevoou o local durante toda a tarde
A espera pela passagem da comitiva se estendeu até por volta das 17h. Informações desencontradas davam conta de que a caravana estava aguardando a liberação da pista. Até que no final da tarde, o Partido dos Trabalhadores confirmou o cancelamento do ato em Passo Fundo por falta de segurança. "Lamentamos o caráter antidemocrático daqueles que não aceitam a pluralidade de ideias no campo político. Já havíamos sido informados sobre a hostilidade, mas não achávamos que seria tanto assim", disse o presidente do diretório municipal do PT, Jorge Gimenez.

Jornalista hostilizada
Durante a cobertura dos protestos, na RS 324, uma Jornalista foi agredida verbalmente por manifestantes que protestavam contra a vinda do ex-presidente Lula a Passo Fundo. O presidente do Sindicato Rural de Passo Fundo, Jair Dutra Rodrigues, criticou o fato e disse que a entidade não compartilha com este tipo de manifestação.



Gostou? Compartilhe