Vereador quer possibilitar transporte gratuito a pessoas com câncer

Para Tiecher é importante que o Município planeje maneiras de auxiliar as pessoas com câncer no acesso a serviços essenciais em seu dia a dia

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A iniciativa de isentar pessoas em tratamento contra o câncer do pagamento da passagem do transporte coletivo foi comentada pelo vereador Renato Orlando Tiecher (PSB). O parlamentar destacou que estuda uma proposta de alteração da redação da lei municipal 4536/2008 para incluir os pacientes entre os grupos de pessoas dispensadas do pagamento.

 

Para o parlamentar, é importante que o Município planeje maneiras de auxiliar as pessoas com câncer no acesso a serviços essenciais em seu dia a dia, tendo em vista os altos gastos com tratamento. “Queremos que esse seja um direito assegurado. Ao conseguirmos mudar a lei e permitirmos a isenção da passagem, melhoraremos um pouco o dia a dia para essas pessoas”, disse.

 

Hoje, a lei municipal prevê a liberação do custeio tarifa a pessoas portadoras de deficiência física, mental, auditiva, visual e autistas, mediante a comprovação de renda, que deve ser inferior a dois salários mínimos. No Rio de Janeiro e em São Paulo, por exemplo, a legislação já assegura o benefício às pessoas com câncer.

 

Faixa de segurança em 3D

O vereador também mencionou, durante seu pronunciamento, a sugestão que deu ao Executivo para que sejam pintadas faixas de segurança tridimensionais. A ideia, já colocada em prática em outras cidades e países, utiliza a ilusão de ótica para fazer com que os motoristas reduzam a velocidade.

 

Conforme Tiecher, a Associação de Hip-Hop de Passo Fundo já manifestou que poderia auxiliar na pintura, contando com a autorização e as tintas fornecidas pela Prefeitura. “Poderia ser feito um teste em alguns locais. É apenas uma tinha a mais para a Prefeitura, mas que pode trazer mais segurança ao trânsito”, afirmou.

Gostou? Compartilhe