PCdoB anuncia saída do governo Luciano Azevedo

Partido afirma que saída é tranquila e democrática

Por
· 2 min de leitura
Vereador Alex Necker do PCdoB (Imagem: Arquivo)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Diretório Municipal do PCdoB em Passo Fundo anunciou, nesta terça-feira (14), em nota, o seu afastamento do governo Luciano Azevedo (PSB) a partir desta semana. O documento afirma que a saída é tranquila e democrática, "respeitando a relação republicana com que conduziu sua política junto ao atual Executivo".

A nota ainda diz que o PCdoB deixa a base fazendo um resgate do período em que esteve como aliado da gestão do PSB. O partido estava no governo desde a candidatura de 2012, quando o vice-prefeito Juliano Roso foi eleito.

O Diretório afirma que a causa é uma urgência em valorizar os aspectos positivos da participação efetiva dos comunistas na gestão municipal e a importância de “liderarmos um novo projeto para a cidade que avance onde ainda não melhoramos. Seguimos nosso compromisso com a população e com o desenvolvimento social, na construção de uma cidade mais humana. São desafios ainda presentes: a falta de luz, água e saneamento básico para todos e todas. Esse compromisso do futuro governante com sua gente tornará a cidade mais sustentável. É preciso preparar a cidade para o envelhecimento, reduzir a burocracia municipal e avançar em uma política de educação integral e moderna”. O documento ainda ressalta o objetivo de criar oportunidades de emprego e renda, estimular o capital empreendedor e a construção de uma cidade mais inteligente e segura. "Para isso é preciso aliar desenvolvimento econômico e redução de desigualdades, pois apenas o avanço coletivo trará conforto a todos nós". O partido cita o enfrentamento ao coronavírus como um desafio e um exemplo da necessidade da união de esforços das esferas de governo e de parcerias público privadas.

Lembrando a atuação na Câmara de Vereadores, o partido afirma ter trabalhado com diálogo pelo bem estar coletivo e pelo progresso, declarando querer manter essa relação. “Esta relação vem sendo nutrida apartir da disposição do Partido em legislar e deliberar pelo que é de interesse coletivo, o que deverá se manter mesmo com a saída dos comunistas do Governo. Ao PCdoB não interessa tornar-se uma oposição cega e odiosa. Nossa forma de fazer política nunca foi e nunca será esta”, reitera a nota.

O documento emitido pelo PCdoB também afirma que a decisão foi impactada pela esfera nacional, criticando a atuação do governo Bolsonaro. "A gestão federal é um desastre. Não há gestão. Há uma políticade morte, mentira e ódio em curso, que o PCdoB repudia. A propagação de ódio sem nenhum avanço na educação, na saúde e no desenvolvimento econômico, cortando políticas para o povo e mantendo privilégios para alguns exigem dos municípios cada vez mais ações que tragam resultados para os/as trabalhadores/as e para aqueles/as que mais precisam. Por defendermos a democracia e compreender, neste momento, que as alianças são importantesq uando temos os mesmos princípios e objetivos, deixamos o governo municipal. Seguimos nosso caminho, convictos de nosso compromisso com a cidade", finaliza a nota.

Gostou? Compartilhe