Assembleia vai implantar sistema eletrônico de gestão

O software foi inteiramente desenvolvido por servidores do TRF4 e elimina a tramitação de procedimentos administrativos em papel.

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O presidente da Assembleia Legislativa, Gilmar Sossella (PDT) e o presidente do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF4), desembargador Tadaaqui Hirose, firmaram convênio para implantação do Sistema Eletrônico de Informações (SEI) no Parlamento gaúcho. O software foi inteiramente desenvolvido por servidores do TRF4 e elimina a tramitação de procedimentos administrativos em papel. O próprio convênio já foi assinado digitalmente pelos dois presidentes.

“Este software é um mecanismo que ajudará a Assembleia Legislativa e o cidadão. Será um grande avanço”, afirmou Sossella, elogiando a iniciativa do TRF. Já o presidente do TRF4 lembrou que, além dos processos administrativos, os processos judiciais de toda a Região Sul (RS, PR e SC) já são ajuizados de forma eletrônica. “O futuro já chegou”, comemorou Hirose.

A gestora do SEI no TRF4, Patrícia Valentina Garcia, apontou aspectos como a transparência institucional, celeridade nos processos e sustentabilidade e economia de recursos como principais vantagens. O SEI contempla processos ligados à ouvidoria, gestão estratégica, inspeção administrativa e estatísticas, sendo considerado um sistema completo de gestão. “Além disso, o custo de um software como este no mercado fica por volta de R$ 20 milhões, se somadas as manutenções e atualizações. O SEI é cedido de forma gratuita para o Estado, e pode ser customizado pelos servidores da área de TI de cada órgão que o utilizar”, detalhou.

O diretor de Tecnologia da Informação da AL, Elton Fenner, explicou que uma comissão fará o estudo da implantação do sistema na Casa. “O sistema traz vantagens e economia, principalmente na redução do uso de papel. O sucesso dependerá principalmente do nosso engajamento enquanto instituição, desde os dirigentes até os servidores”, registrou.

Gostou? Compartilhe