Manifestantes seguem acampados na Câmara de Vereadores

A primeira noite de ocupação pôde ser acompanhada através de uma página criada pelos manifestantes no facebook

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O grupo de 15 ativistas que ocupa o plenário da Câmara de Vereadores desde segunda-feira à tarde, apresentou uma pauta com quatro reivindicações aos vereadores, como critério para realização da sessão de hoje. eles pedem: permanência das dezenas de cartazes. com frases de protesto, espalhados pelo prédio durante a sessão, entrega de documento com timpre da Câmara num prazo de 30 dias, assinado pelos vereadores com propostas referentes à mudança de horário das sessões e redução salarial dos próprios legisladores. Também reivindicam espaço para se manifestarem durante a sessão marcada para às 15h, e as presenças do prefeito Luciano Azevedo e do vice, Juliano Roso.

Após a reunião a portas fechadas no gabinete da presidência, com a presença de 12 vereadores, Alex Necker (PC do B) e Márcio Patussi (PDT), conversaram com os manifestantes. " As pautas relacionadas ao Executivo devem ser encaminhadas diretamente ao executivo. Não temos como garantir a presença do prefeito, nem do vice", argumentou Necker. Vice-presidente da Câmara, Patussi disse que iria consultar a procuradoria da 'casa' sobre a possibilidade de manter os cartazes, a maioria colados na mesa diretora, durante a sessão. ele garantiu que até o momento, o legislativo não tem intenção de ingressar com pedido de desocupação da Câmara.

Na rede

A primeira noite de ocupação no plenário pôde ser acompanhada através de uma página criada pelos manifestantes no facebook. Além de fotos e vídeos, eles postaram na rede social o "Manifesto Câmara ocupada". No documento, voltaram a reforçar os quatro eixos do protesto: revogação do aumento da passagem do ônibus, início imediato da licitação do transporte público, mudança das 16h para às 18h, do horário das sessões da Câmara e redução dos salários dos vereadores. "Vamos permanecer aqui por tempo indeterminado", disse Donatan Bertollo.

Gostou? Compartilhe