Região mobilizada na reta final das eleições

Prefeitos, professores e militantes de toda a região participaram de ato político com a presença de Tarso e Abgail

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Na reta final para definir quem serão os próximos representantes que irão assumir o governo do Estado e a Presidência da República, militantes de toda a região se reuniram na noite de ontem em um ato político que trouxe o candidato à reeleição ao Palácio Piratini, Tarso Genro e a Vice Abgail Pereira. A atividade aconteceu na Associação de Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar e reuniu cerca de 500 pessoas, entre eles mais de 18 prefeitos, deputados eleitos e reeleitos. Tarso iniciou falando sobre os avanços obtidos no magistério ao longo dos quatro aos e, disse, que o objetivo, se eleito, é pagar o piso para a categoria com ajuda dos recursos provenientes dos royaltes do pré-sal. Na educação, ele também apontou o número de escolas reformadas, os cursos de capacitação ofertados, o Prouni e o Pronatec. “O funcionalismo publico é o principal eixo que vai impulsionar uma mobilização democrática. Para fazer uma revolução educacional neste país os professores são fundamentais”. Neste viés, o postulante atacou seu adversário a partir de um vídeo que Sartori faz piada sobre o piso do magistério . A fala do petista foi aplaudida principalmente pelas professoras da 7ª CRE que estavam presentes na atividade e estão mobilizadas para reelege-lo. “Sartori é um candidato de marketing, ele está sendo instruído a não participar de debates, não estabelecer compromissos e fugir de qualquer conteúdo nas respostas que ele dá, mas às vezes ele tropeça e mostra a sua verdadeira natureza”.

Tarso afirmou que o Estado corre o risco de colocar no Poder um governador, caso a militância não consiga inverter as projeções apresentadas, de perfil autoritário e que irá desconstituir todos os programas progressistas e democráticos e inclusivos desenvolvidos no Estado. “Quem tem coragem de responder ao magistério dessa forma não tem limites e vai se posicionar desta forma com todos os setores”. Ele disse que se isso acontecer todos os setores, principalmente, o MST, a Via Campesina, o CTB, entre outros serão recebidos “a bala no Piratini”. “Quando os agricultores forem pedir anistia da divida de financiamentos em períodos de estiagem, ele vai responder o que? – Vão plantar batata? Conosco vocês terão anistia ”. De acordo com o candidato, além disso, com o poder nas mãos de seu adversário o Estado estará sujeito a perder todos os programas de inclusão, desenvolvimento e melhoramentos desenvolvidos até agora. A candidata à vice-governadora, Abgail Pereira (PCdoB), chamou atenção para a possibilidade de fim do mínimo regional.  Uma das bandeiras defendidas, segunda ela, pelo candidato a vice de Sartori, José Paulo Cairoli.

O petista também vinculou o seu adversário às administrações anteriores do Estado, comandadas pelo PMDB e do PSDB e suas respectivas atuações e relacionamento com municípios e demais setores fundamentais.  “Estamos trabalhando para o nosso povo gaúcho, para o crescimento com igualdade, para combater as desigualdades regionais e para articular com as prefeituras um pacto de desenvolvimento criando empregos e crescimento”.

Articulações

O relacionamento com o Governo Federal foi apontado com um dos fatores que favoreceu o crescimento do Estado nestes quatro anos. Além disso, o postulante destacou a articulação internacional que garantiu a construção de parcerias que fomentaram a inserção de investimentos no Estado e foram fundamentais para a ampliação da oferta de emprego e renda. “Fizemos 60 missões internacionais e o resultado é isso – Milhões e milhões de investimentos, que não atuam de forma predatória da capacidade produtiva, mas para se integrar nela”. De acordo com ele, cada financiamento e incentivo fiscal acordado obriga a iniciativa privada a adquirir insumos locais, consequentemente, estimulando o desenvolvimento das empresas locais.

O incentivo para as empresas foi destaco pelo ex-prefeito Airton Dipp (PDT) que esteve na atividade manifestando seu apoio à reeleição de Tarso e de Dilma, principalmente, através dos incentivos com a instalação da Manitowooc e as conquistas obtidas no setor da educação através da vinda do Instituto Federal Sul Rio Grandense, que através dos cursos técnicos, forma mão-de-obra que impulsiona o setor industrial da região e da UFFS que desenvolve o curso de medicina.

Militância mobilizada

Tarso convocou os militantes a mostrarem os avanços obtidos ao longo destes anos, desconstruir a figura maquiada de seu adversário para conquistarem a vitória no próximo domingo.

Gostou? Compartilhe