ELEIÇÕES 2020: Candeia levará pré-candidatura à convenção

Decisão foi tomada mesmo contrariando orientação da executiva estadual de apoio ao pré-candidato do PSDB em Passo Fundo

Por
· 4 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mesmo sabendo que não há chances, o procurador do Estado Rodinei Candeia, licenciado para a disputa eleitoral deste ano, mantém a pré-candidatura a prefeito pelo PSL e vai submeter o nome ao partido, na data da convenção, marcada para 9 de setembro. Rodinei foi afastado da executiva provisória municipal na semana passada, depois que o mandato à frente do partido encerrou. A executiva estadual decidiu nomear outro grupo para fazer valer o acordo firmado entre PSL e PSDB no Estado, que prevê aliança em 14 cidades gaúchas, entre as quais Passo Fundo. Por esse acordo, o PSL apoiará a candidatura de Lucas Cidade a prefeito, contrariando a intenção de Candeia, que se preparava para ser o candidato do partido no município. 

 As chances de ter o nome aprovado são praticamente nulas e tem a ver com aspecto legal da formação partidária. O PSL está estruturado por comissões provisórias, são 481 no Estado, e as decisões são tomadas exclusivamente pelas executivas e não passam pela votação dos filiados. Pela legislação partidária, as comissões provisórias tem mandatos de 180 dias e, dentro deste prazo, deveriam organizar seus diretórios. O que o PSL vem fazendo é renovar as comissões provisórias garantindo poder ao presidente nacional, que é Luciano Bivar, e aos presidentes estaduais, no caso do RS, o deputado federal Nereu Crispim. Nos municípios onde não houve entendimento para a coligação ou não estão de acordo com o direcionamento das executivas, os membros são substituídos, como ocorreu em Santa Cruz do Sul e em Erechim, além de Passo Fundo. 

Ao tomar conhecimento da manobra para retirá-lo da disputa, Candeia tentou barrar judicialmente. A primeira ação, em recurso no Tribunal Regional Eleitoral, ele pediu investigação da Justiça Eleitoral, contra o deputado federal Nereu Crispim, presidente da Comissão Provisória Estadual do PSL, o deputado estadual Mateus Wesp, presidente estadual do PSDB, Lucas Cidade, presidente da Comissão provisória do PSDB, e pré-candidato a prefeito, o governador Eduardo Leite, e o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior.

No entendimento do autor da ação, por se tratarem de autoridades públicas, no caso dois deputados, governador e prefeito, e pelo fato de Lucas Cidade ser pré-candidato, sujeito, portanto, às regras eleitorais, a Justiça deve apurar se há alguma eventual situação de abuso de poder na coligação entre os dois partidos. Sobre o pedido de apuração referente ao nepotismo, Candeia se refere à nomeação de dois filhos do deputado Crespim, para cargos públicos no governo do estado.

Para Candeia, a negociação entre os dois partidos em troca de cargos dos filhos do presidente do PSL no governo do Estado está muito próximo de corrupção. E ele lamenta que a Justiça Eleitoral se atenha tão somente a questões pequenas de uma campanha, como a colocação de placa em muro, enquanto deveria estar atenta e enfrentando questões que abalam o processo eleitoral, tirando o direito de escolha do próprio eleitor. “Quando os dirigentes partidários fazem uma manobra para me afastar da eleição, eles também tiram do cidadão de Passo Fundo o direito de escolha”, acrescenta. Manobras que, segundo ele, envolve cargos no poder público, gestão de dinheiro público como o fundo eleitoral e passa longe do olhar mais atento da Justiça Eleitoral.

Campo fértil da picaretagem

O ingresso de Candeia no PSL se deu de forma tumultuada no ano passado, depois que ele deixou o PP. O presidente da época, Francisco Lupatini, teve discordância em relação ao encontro que formalizaria a filiação no PSL. Os dois trocaram críticas e Lupatini acabou deixou o PSL. Candeia assumiu a comissão provisória, passando a organizar o partido para as eleições. “Estou na política há pouco tempo, mas o suficiente para aprender que esse espaço é campo fértil para picaretagem. Para pessoas que não têm outra função na vida senão buscar vantagem a qualquer preço”. Mesmo assim, garantiu que não vai deixar o PSL, por entender que a situação não seria diferente em outra sigla e por acreditar no retorno do presidente Bolsonaro ao partido. “A confiança é de que o retorno do presidente possa mudar o ambiente interno partidário”, acrescentou.

Ativo na campanha

Candeia aguarda definição do ex-vereador e empresário Valdair Gomes de Almeida sobre a candidatura a prefeito. Por lealdade, disse que se ele for candidato vai apoiá-lo. Se não for, não há chance de apoiar outro candidato. Acha que fora da disputa, a eleição fica sem uma terceira via que seria representada por ele como de centro-direita. Tem críticas em relação ao mandato do prefeito Luciano Azevedo, especialmente no que se refere a execução orçamentária. Sobre Márcio Patussi, disse que a dificuldade de apoiar é em função do posicionamento do PDT em relação ao Governo Bolsonaro, mas percebe que o candidato não representa essa ala.

O que está certo é a participação ativa nas eleições, especialmente nas redes sociais. “Vou intensificar minha participação na política”, assegurou. Nesse aspecto, não vai poupar críticas a Lucas Cidade. “Vou apontar sua participação na falcatrua para inviabilizar minha candidatura e dizer que é lamentável que comece sua vida política com essas práticas”, pontuou.

 Das lições que vai levar deste processo é que, em política, deve-se levar em conta e conhecer o caráter de uma pessoa, depois suas qualificações técnicas. 

Gostou? Compartilhe