Aumento da expectativa de vida norteia políticas públicas

Governo divulgou Diagnóstico da Situação da Pessoa Idosa no RS, em ato no Palácio Piratini

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O envelhecimento populacional é um dos principais desafios para a sociedade atual. Garantir que a velhice e o envelhecimento sejam processos orientados e bem assistidos, e que o aumento da expectativa de vida seja acompanhado por ganhos na qualidade de vida, reforça a demanda por políticas públicas e a distribuição dos recursos disponíveis. Para planejar os passos para chegar a este cenário ideal, o governo do Estado divulgou na tarde desta quinta-feira (20) o Diagnóstico da Situação da Pessoa Idosa no Rio Grande do Sul, em ato no Palácio Piratini.

 

O documento comprova o crescimento das pessoas acima dos 60 anos, com destaque para mulheres. O número de brasileiros com mais de 60 anos superou os 30 milhões em 2017, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) do IBGE, e a tendência é que o envelhecimento da população acelere de forma que, em 2031, o número de idosos supere o de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos no Brasil.

 

"No Rio Grande do Sul, conforme o Diagnóstico da População Idosa que estamos entregando hoje, no período de 2001 a 2015, houve aumento de 59% na população acima dos 60 anos, muito acima da média geral, que ficou em 8,5%. Hoje, essa faixa equivale a quase 16% da população gaúcha, o maior percentual entre todos os estados", enfatizou a secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos (SDSTJDH), Maria Helena Sartori.

 

De acordo com Maria Helena, o diagnóstico serviu de base para a definição das metas do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Pessoas Idosas, que está em consulta pública. O documento apresenta diferentes dimensões da vida dos idosos e fornece informações para as ações e metas do Plano Decenal, no sentido de fortalecer e expandir as atividades destinadas à defesa e à promoção dos direitos dessa população.

 

"Hoje entregamos aqui um importante documento para as gaúchas e os gaúchos. Esse diagnóstico permite conhecer melhor a realidade e serve como base para definir ações do Poder Público. Para a Maria Helena e eu a área social sempre foi prioridade. Nestes mais de 40 anos de vida pública, atuamos para melhorar a vida das pessoas que mais precisam. Porque é para as pessoas que o Estado tem que existir. E porque as ações sociais mudam a realidade de quem mais precisa", afirmou o governador José Ivo Sartori.

 

A coordenadora do Comitê do Plano Decenal e de Políticas para Pessoa Idosa da SDSTJDH, Luiziane Brusa da Costa, disse que a publicação também poderá atender a comunidade gaúcha em geral, em especial a acadêmica no desenvolvimento de pesquisas e estudos correlatos.

Gostou? Compartilhe