Dilma se pronuncia sobre decisão do Senado

Presidente classificou a decisão como golpe e reafirmou não ter cometido crimes de responsabilidade

Por
· 1 min de leitura
Durante declaração, Dilma não abriu espaço para perguntasDurante declaração, Dilma não abriu espaço para perguntas
Durante declaração, Dilma não abriu espaço para perguntas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A presidente Dilma Rousseff se pronunciou há pouco sobre a decisão do Senado de dar prosseguimento ao processo de impeachment e consequente afastamento do cargo pelo prazo máximo de 180 dias. Dilma citou o golpe por diversas vezes, enfatizou que não cometeu nenhum crime de responsabilidade, e os avanços do país nos últimos anos. “A maior das brutalidade que pode ser cometida contra um ser humano é puni-lo por um crime que não cometeu”, declarou.

Dilma destacou que, desde a eleição, o governo dela foi alvo de “intensa e incessante sabotagem”. “O que está em jogo é também a grande descoberta do Brasil, o pré-sal”, elencou entre os motivos para o que ela classificou de golpe. Sobre os atos pelos quais está sendo julgada, ela afirmou que os atos foram legais e idênticos aos que foram executados pelos presidentes que a antecederam. “Não era crime na época deles e também não é crime agora”, ressaltou.

“O maior risco é o país ser governado por um governo do sem voto”

“Posso olhar para mim mesma e ver a face de alguém que mesmo marcada pelo tempo tem força de defender suas ideias e seus direitos. Nunca imaginei que seria necessário lutar de novo contra um golpe no meu país”, enfatizou durante o pronunciamento. Ao finalizar o discurso fez um chamamento à população, independente de partido: “Aos brasileiros que se opõem ao golpe faço um chamado, mantenham-se mobilizados, unidos e em paz. A luta pela democracia não tem data para terminar”.

 

*Atualizada às 11h58

Gostou? Compartilhe