Luciana Genro será candidata à Presidência pelo PSOL

Convenção do partido foi realizada em Brasília

Por
· 1 min de leitura
Luciano ao lado do candidato a vice Jorge PaesLuciano ao lado do candidato a vice Jorge Paes
Luciano ao lado do candidato a vice Jorge Paes

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Por unanimidade, o PSOL oficializou neste domingo (22) a candidatura da ex-deputada Luciana Genro (RS) à Presidência da República nas eleições de outubro. Como vice, foi indicado Jorge Paes, membro do diretório paulista. Como principais propostas de governo, Luciana afirma querer realizar uma ampla auditoria da dívida pública e uma reforma no sistema tributário brasileiro. Ela pretende ainda, levar para o debate eleitoral temas considerados polêmicos e por isso evitados pelos principais candidatos à Presidência. Luciana irá defender a descriminalização da maconha, a garantia dos direitos LGBT e a legalização do aborto como política pública de saúde.
"Eles não tem coragem de apresentar propostas concretas [...] Vamos demonstrar a insatisfação da juventude que foi às ruas com o sistema que vamos confrontar", afirmou ao final da convenção do partido, realizada neste fim de semana em Brasília.
Evocando as manifestações de junho de 2013, Luciana afirma que os governos não atenderam às demandas apresentadas pelos manifestantes, como a melhora da saúde, da educação e do transporte público. "Temos a tarefa de apresentar nossas propostas de acordo com as jornadas de junho", disse. Questionada se seria "a voz das ruas", disse que isso seria muita "pretensão".
"Seria muita pretensão dizer que somos a voz dessas manifestações, mas nós queremos dar voz para essas demandas que vieram das ruas no ano passado. São demandas que vêm do povo, da classe trabalhadora e que não foram atendidas pelos governantes", disse.

Gostou? Compartilhe