"Não queremos nos incomodar e isso é um erro"

Novato na política, o cabeleireiro recém-eleito conta seus motivos para ingressar na política passo-fundense e as expectativas para o mandato. Em sua legislatura pretende trabalhar com maior ênfase pelos bairros Zacchia e São Luiz Gonzaga, além de também levantar a bandeira do tradicionalismo gaúcho

Por
· 4 min de leitura
Evandro herdou a profissão do pai: é cabeleireiro e barbeiro desde os 12 anosEvandro herdou a profissão do pai: é cabeleireiro e barbeiro desde os 12 anos
Evandro herdou a profissão do pai: é cabeleireiro e barbeiro desde os 12 anos

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A ligação entre o cabeleireiro Evandro Meireles e a política brasileira era praticamente nula até pouco tempo atrás. Ele, que filiou-se ao Partido Trabalhador Brasileiro (PTB) há pelo menos um ano e meio, andava descontente com o cenário. “O que me despertou foi o fato de assistir, ler os jornais e ouvir falar em corrupção, roubo, desvio. Com isso nós, pessoas de bem, trabalhadores, vamos nos acoando, não queremos nos incomodar e isso é um erro”, começou. “Temos que nos envolver e, por isso, decidi que encararia. Estou aí, né? Vamos ver no que vai dar”. Sua candidatura acabou dando certo: Evandro elegeu-se com 1.425 votos. Os planos para a Câmara, a partir do próximo ano, no entanto, não envolvem projetos já planejados. A prioridade dele estará voltada para três questões em específico: os bairros José Alexandre Zacchia e São Luiz Gonzaga; e o movimento campeiro e tradicionalista gaúcho. Cabeleireiro e barbeiro de profissão, Evandro evita posicionar-se politicamente e baseia sua filiação ao PTB pela identificação com Getúlio Vargas. “Um homem que fez um ótimo trabalho no Brasil, um homem da fronteira, um gaúcho nato”, explica.

O caminho até a Câmara
Aos 36 anos, Evandro herdou a profissão do pai. “Corto cabelo desde os 12 anos. Meu pai me disse: 'filho, eu não te dou estudo, mas te dou um profissão: cortar cabelo e ser barbeiro'”, lembra. Além disso, também trabalhou em açougue de supermercado e numa loja de tecidos e armarinhos. Morou 19 anos no bairro Zacchia e decidiu mudar-se para o São Luiz há 17. Casado, tem dois filhos – Evander (12) e Evanderson (2 meses) – e um enteado – Mateus (13). O pequeno Evanderson, inclusive, nasceu dois dias depois de iniciada a campanha eleitoral, em 18 de agosto. “Tive que conciliar para aproveitar os momentos bons do nascimento, o que deixou tudo muito mais corrido”, conta.

Sua ligação com o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) tem mais de 10 anos: atualmente é patrão do Piquete de Laçadores Caminhos da Tradição e narrador de rodeios, credenciado à entidade. Foi, inclusive, desta última experiência que se envolveu com o rádio, onde apresentou programas de auditório e operou pela equipe técnica em uma emissora da cidade. Para ele, todos estes fatores lhe dão bagagem para exercer seu mandato como vereador. “Sempre lidei com as pessoas, com o público. Isso te dá conhecimento. Me sinto preparado para representar o povo passo-fundense na Câmara de Vereadores por que sei do que ele precisa”. Esta relação aprofundou seu interesse em política. “O que me despertou foi o fato de assistir, ler os jornais e ouvir falar em corrupção, roubo, desvio. Com isso nós, pessoas de bem, trabalhadores, vamos nos acoando, nos queremos nos incomodar e isso é um erro. Temos que nos envolver e, por isso, decidi que encararia”, termina.

Posicionamento político
O vereador eleito diz não ter lado: “para mim, política é administração”, afirma. Ele acredita que os eleitores não se interessam em saber a ideologia do político, desde que este trabalhe. “Não importa para eles [os eleitores] se você é de direita, esquerda ou centro. Eles querem saber de trabalho. Querem que o vereador veja o que é emergencial e trabalhe sobre isso”, completa. A filiação ao PTB veio há um ano e meio, a partir de um amigo em comum que sabia do interesse de Evandro ingressar no meio político.

Sua identificação com o partido vai de encontro da relação que Evandro tem com a cultura gaúcha. “Gosto muito da minha cultura, da tradição gaúcha. Se olharmos o histórico do PTB, quem fundou foi Getúlio Vargas, um homem que fez um ótimo trabalho no Brasil, um homem da fronteira, um gaúcho nato”, explica. Vargas governou o país de 1930 a 1945, em três fases históricas: a do Governo Provisório – de 1930 a 1934 – e do Constituinte, de 1934 a 1937. O reconhecido como 'Golpe do Estado Novo' tornou-o presidente-ditador até 1945. Foi o responsável por instaurar o populismo – um método de governo em que o Estado intermediava as relações entre patrões e trabalhadores, muito comum na América Latina na época. Em seu governo colocou em prática, pela primeira vez na história brasileira, os direitos trabalhistas como férias remuneradas e salário mínimo. Foi também um dos responsáveis na briga contra a ideologia comunista, que teve como principal líder a figura do também gaúcho Luiz Carlos Prestes. O PTB foi fundado em 1945, inspirado nos feitos ideológicos de Getúlio Vargas, após sua retirada do governo, e se considera um partido posicionado ao centro.

Projetos para a Câmara
Evandro não tem um projeto específico para sua estadia na Casa: ele pretende construí-los no decorrer do tempo, de acordo com as demandas recebidas em seu gabinete. Ainda assim, três pontos receberão maior atenção de sua parte: o bairro Zacchia, o São Luiz Gonzaga e o meio tradicionalista. “No Zacchia, temos questões bem sérias. Tem a canalização, a escolinha infantil que precisa ser ampliada, o pessoal de invasão que precisa de regularização. Isso tudo é emergente. Tanto no São Luiz quanto no Zacchia pretendo ver da questão de iluminação pública, que está precária”, afirma. Já no meio tradicionalista, o foco é o Parque de Rodeios da Roselândia. “Lá temos um parque bonito que recebeu investimentos, mas que precisa de manutenção. Por exemplo, a cancha de laço da área campeira precisa de dreno e areia nova; e o palco principal das invernadas artísticas também precisa de reforma”, acrescenta. Isso, segundo ele, não é uma crítica ao governo de Luciano Azevedo – do qual é aliado. “São apenas bandeiras que defendo e necessidades que vejo”, termina.

Gostou? Compartilhe