OPINIÃO

PSDB, PL e PSL na aliança de Lucas Cidade

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

É só uma questão de formalização: PSDB, PL e PSL já andam juntos para a eleição deste ano. O empresário e ex-vereador Valdair Gomes de Almeida, PL, será o candidato a vice na chapa de Lucas Cidade. O diálogo foi intensificado há dez dias e ontem à noite foi decisivo. A aliança também vai contar com o apoio do PSL, que mudou a data da convenção para sábado, 12, das 10h às 12h. A transferência da data, segundo o presidente do partido Alair Lago, ocorre por conta de suspeita de covid em alguns membros da executiva. A convenção será virtual e não mais presencial, como estava marcada. Já o PL, faz sua convenção no domingo, 13, das 14h às 17h. E o PSDB, na segunda-feira, às 19h, quando então deve formalizar a aliança. Os tucanos também farão convenção virtual, por meio de uma plataforma criada pelo partido especialmente para as eleições deste ano.



Quanto custa

Os candidatos a prefeito e vereador poderão gastar 14% a mais do que gastaram na eleição de 2016. Este foi o índice de reajuste para o limite de gastos da campanha, divulgado pelo TSE, que se baseou pelo índice do IPCA. Portanto, candidatos a prefeito de Passo Fundo poderá chegar até o limite de R$ 502 mil e os candidatos a vereador, R$ 97 mil. Em 2016, este limite era de R$ 440,9 mil para prefeito e R$ 85,6 para vereador. Em Carazinho o limite será de R$ 282 mil para prefeito e R$ 50,8 mil para vereador. 



Pequenos

Em Soledade o candidato a prefeito pode gastar até R$ 123 mil e o candidato a vereador R$ 20,6 mil. Já os candidatos de Marau poderá atingir o máximo de R$ 166 mil para prefeito e R$ 18.800 para vereador. Municípios pequenos da região como Mato Castelhano, Pontão, Ernestina e Tio Hugo os valores são os mesmos: R$ 123 mil para prefeito e R$ 12 mil para vereador. 



Diferenças escancaradas

Em um ano em que a pandemia rompeu processos de toda a ordem, em alguns setores ela trará repercussões importantes e profundas, que demandarão um esforço conjugado de várias frentes para que esse problema identificado agora não crônico. É o caso da educação, especialmente nas séries iniciais e nas escolas públicas. A pandemia escancarou a diferença social existente entre escolas públicas e privadas, mostrando que ainda estamos muito distantes de alcançar a inclusão digital. 



Tragédia

Na visão da diretora da Faculdade de Educação da UPF, Adriana Dickel, numa entrevista concedida esta semana ao Café Expresso da Rádio UPF, a pandemia só aumentou o abismo no processo de alfabetização, cuja reversão demandará mais tempo e dependerá de uma força tarefa enorme envolvendo escola, famílias e políticas públicas. Segundo ela, o efeito dominó ao longo prazo será extremamente prejudicial à vida da sociedade. “Eu diria que é uma verdadeira tragédia”, completou. 



Quer ser um bom vereador?

Então comece lendo sobre o papel do cargo que você almeja ocupar. Fica a sugestão do livro ‘O que é ser Vereador, em perguntas e respostas’. Escrito pelo advogado passo-fundense André Leandro Barbi de Souza, um especialista em direito político, com larga experiência em assessoria jurídica para Câmaras de Vereadores, tem uma didática bastante simples de responder as principais dúvidas a respeito do que é ser um vereador. A ideia surgiu a partir de convite formulado pela Câmara de Deputados e o contexto das perguntas e a pesquisa para a formulação das respostas tiveram como base o ambiente de sala de aula, em cursos realizados no IGAM e em parceria com entidades representativas para mais de 10 mil pessoas entre vereadores, assessores parlamentares, e servidores públicos. Informações você encontro nas redes sociais do André e no site www.igam.com.br. 

Gostou? Compartilhe