OPINIÃO

Suspensão de contratos lidera acordos na pandemia

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Cerca de 20.589 acordos foram fechados em Passo Fundo através do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, desde abril, quando foi instituído pelo governo federal para enfrentamento da pandemia. Isso envolveu 2.232 empresas e 11.566 trabalhadores. O setor de serviços foi o que mais realizou acordos com seus trabalhadores - 11.820 ao todo. Seguido do comércio - 6.240; Indústria - 2.202 e Construção civil – 294. Neste processo, 180 trabalhadores também acordaram para trabalho intermitente. Conforme dados do Ministério da Economia, a maior parte das empresas optou pela suspensão dos contratos conforme tabela abaixo:

8.942 suspensão de contrato

4.321 redução de 70% da jornada de trabalho

3.848 redução de 50% da jornada de trabalho

3.298 redução de 25% da jornada de trabalho.


Impactos

A coordenadora do Balcão do Trabalhador, projeto de extensão da Faculdade de Direito da UPF, Maira Tonial, lembra que, tanto a suspensão de contratos quanto a redução de jornada de trabalho, impactam proporcionalmente em direitos como 13º e férias, FGTS e INSS. O Balcão do Trabalhador esclarece essas dúvidas por meio das redes sociais: Instagram e Facebook. Em breve retomará o atendimento presencial, no Campus III da UPF, no centro.


Duplicação

São 13 as empresas habilitadas para fazer o projeto de duplicação do trecho urbano da BR 285, entre a Avenida Brasil, na Petrópolis, até o entroncamento com a ERS 324. O Dnit, agora com sede em Passo Fundo, aguarda retorno do atendimento presencial na Superintendência em Porto Alegre, para dar seguimento ao edital. Será preciso uma reunião com as empresas habilitadas antes de anunciar o vencedor. O edital prevê, além da duplicação, a construção de vias laterais, viadutos e acessos. Para elaborar o projeto, o Dnit prevê recursos de quase R$ 2 milhões.


Articulação para o futuro

Com experiência de dois mandatos como vereador e secretário da Segurança Pública, Marcio Patussi (PDT) apostará na capacidade de articulação como caminhos para o futuro de Passo Fundo. Para ter as portas abertas em Brasília, conta com apoio do senador Luis Carlos Heinze (Progressistas), considerado um dos trunfos do candidato — cujo parceiro de chapa é o também progressista Marcos Susin. “O senador, além de ser um político posicionado e com lado, sabe construir e abrir portas. O município quer avançar e ter ainda mais relevância regional e estadual. Isso é fundamental para a economia e para a qualificação dos serviços públicos”, aponta Patussi.


Justiça retira enquete do ar

A juíza da 128º Zona Eleitoral de Passo Fundo, Rossana Gelain, determinou retirada das redes sociais de enquete política e do link de acesso aos resultados feita pela Agência de Marketing Persona. A decisão atendeu a pedido de liminar feito pelo Diretório Municipal do PSB. Em tempos de pandemia, a intimação ocorreu via WhatsApp, com prazo de uma hora para cumprimento, sob pena de aplicação de multa no valor de R$ 53,2 mil além de R$ 1 mil por cada compartilhamento efetivado.


Representação

A Representação Eleitoral postulada pelo PSB, refere que a agência publicou, em várias plataformas na internet, link para pesquisa de intenção de voto, denominada ‘enquete’, sem o preenchimento dos requisitos legais exigidos. De acordo com a ação, “as perguntas a serem respondidas teriam o claro intuito de identificar o colégio eleitoral participante. Haveria, portanto, controle amostral, o que é vedado em se tratando de enquete”.


Contraponto

Em nota publicada no perfil do Facebook a Agência Persona Política diz que a “enquete em questão não tem elementos mínimos para configurar pesquisa eleitoral e que a representação do PSB é um exercício de futurologia e excesso de cautela, pois a legislação estabelece exigências apenas para as pesquisas técnicas/científicas”. Segundo a agência, a enquete iniciada em 22 de setembro, mede a intenção de votos e coleta opiniões e dados superficiais não direcionados ao conhecimento do público e está sendo realizada fora do período de campanha que inicia dia 27 de setembro. A Agência diz que observa a legislação e que a vedação à realização de enquetes se dará somente a partir do dia 27.


Calendário

Encerra no sábado o prazo para registro dos candidatos junto ao TSE. Até ontem, cinco dos sete que disputarão a Prefeitura de Passo Fundo encaminharam documentação: Arthur Bispo, PSTU; Cláudio Dóro, PSC; Márcio Patussi, PDT; Pedro Almeida, PSB e Lucas Cidade, PSDB. Também já encaminharam registro 292 candidatos a vereador, de um total de quase 350. No domingo, 27, começa a campanha propriamente dita.

Gostou? Compartilhe