Ministério Público pede transparência ao prefeito de Erechim na divulgação dos boletins sobre coronavírus

Conforme verificado pelo órgão judicial, os boletins não estavam sendo inseridos no portal eletrônico do município

Por
· 1 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do estado do Rio Grande do Sul (MP/RS) expediram recomendação ao prefeito de Erechim, Luiz Franscisco Schmidt (PSDB), para que promova a inserção de boletins diários sobre a situação da transmissão da covid-19, viabilizando o controle social das medidas empreendidas, bem como ampliando o espectro de consciência coletiva quanto à necessidade de atendimento às orientações relativas ao afastamento social.

Conforme verificado pelo órgão judicial, os boletins não estavam sendo inseridos no portal eletrônico do município, o qual contava com apenas cinco boletins, sendo quatro relativos ao mês de março.

A promotora de Justiça Karina Denicol e a procuradora da República Letícia Benrdt asseveraram que o atraso na divulgação das informações pode prejudicar a percepção da sociedade em relação à gravidade da situação e, por conseguinte, a flexibilização quanto aos cuidados de prevenção.

Também, registraram que o boletim diário deverá manter, no mínimo, o padrão atual de informações, além de informações sobre todas as pessoas que estão internadas em Erechim com testagem positiva para a covid-19 ou apenas suspeitos, sejam residentes no município ou não. Além disso, deverão informar se os pacientes em acompanhamento pelo município foram ou não testados, bem como o tipo de teste realizado.

Gostou? Compartilhe