Destinação de resíduos sólidos ganha centro de descartes em Victor Graeff

Para o presidente da CRVR, o RS pode se tornar o primeiro estado brasileiro com disposição final de resíduos sólidos

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A destinação de resíduos sólidos urbanos ganha um importante centro de descarte na Região Norte do estado. Nesta sexta-feira (6), a Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos (CRVR) inaugurou um novo aterro sanitário, em Victor Graeff. A área licenciada tem 51 hectares e atende aproximadamente 140 municípios gaúchos. O investimento faz parte de um plano entregue ao governo do Estado com investimento de R$ 500 milhões. A Unidade de Valorização Sustentável (UVS) fica em São José da Glória, no quilômetro 203 da rodovia BR 386.

 

A central vai beneficiar cerca de 850 mil pessoas da região e tem previsão de 21 anos e meio de vida útil. As operações começam em julho, com capacidade de recepção de 700 toneladas/dia, atendendo inicialmente polos no perímetro de Passo Fundo, Carazinho e Erechim, entre outros municípios. Além da disposição final dos resíduos, o novo aterro conta com uma usina termoelétrica movida a biogás e estação de tratamento de efluentes. A geração de empregos direta e indireta abrirá vagas para habitantes do município e adjacências.

 

O emprego de novas tecnologias para reduzir o impacto ambiental tem pautado as agendas do poder público e da iniciativa privada. Nas duas últimas semanas o esforço conjunto redirecionou cinco projetos de investimentos no segmento ambiental no Rio Grande do Sul. De acordo com o governador José Ivo Sartori, a qualificação de empreendimentos desta natureza demonstra o compromisso com a população. “Este é o caminho da modernização, com atitude, responsabilidade e consciência ambiental voltada para o futuro. O Estado também deu sua contribuição e todos saem ganhando: empresas, municípios, comunidades e o meio ambiente”. Sartori informa ainda que os investimentos da CRVR em serviços de coleta de resíduos podem ser aplicados pela prefeitura em outras áreas sociais.

 

A licença de operação foi concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). O aterro segue os padrões da Política Nacional de Resíduos Sólidos e rompe o ciclo de utilização dos lixões a céu aberto implantados ao longo das últimas décadas pelos municípios, com capacidade de esgotamento limitado, em terrenos em desconformidade com a legislação ambiental.  A secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, destaca que atualmente há 4.024 processos em análise, menos da metade do que havia há quatro anos. “A atual fase de empreendimentos em proteção ambiental é o reflexo de operações do motor de investimentos das empresas”, afirma.

 

A promoção do desenvolvimento local, com a profissionalização de serviços na área ambiental e o aumento da arrecadação municipal são alguns dos aspectos positivos do empreendimento. Para o presidente da CRVR, Alexsandro Ribeiro, o Rio Grande do Sul pode se tornar o primeiro estado brasileiro com disposição final de resíduos sólidos, com procedimentos padrão, que não impactam o ambiente de forma agressiva ou descontrolada. Os detritos deixam de ser um problema para as comunidades no entorno. “Do total de recepção de detritos na UVS, após a triagem, 80% recebe tratamento”, informa. A empresa opera em outras quatro unidades situadas em Minas do Leão, São Leopoldo, Santa Maria, Giruá e Victor Graeff. 

 

A operação de logística no transporte e despejo de resíduos também diminui custos, resultando em economia em torno de 25% para as prefeituras. Segundo o prefeito de Victor Graeff, Cláudio Alflen, “com localização estratégica, uma solução está sendo encontrada para um dos grandes problemas que os municípios enfrentam com o deslocamento de resíduos em localidades mais distantes”. Por outro lado,  Alflen afirma que a implantação da UVS não tem investimento público ou concessão de incentivo fiscal.

 

A inauguração teve a presença do governador José Ivo Sartori, secretários estaduais e prefeitos. Ao final da solenidade, foi descerrada a placa de inauguração da central. O presidente da CRVR também entregou ao governador o plano de ações e investimentos da empresa para o Estado para os próximos 5 anos. Também estiveram na inauguração, representando a bancada federal gaúcha, o deputado federal Giovani Cherini; pela Assembleia Legislativa, o deputado Vilmar Zanchin; pela presidência da Câmara Municipal de Victor Graeff, vereador Adriano Rodrigo Mattge; o presidente da Copelmi, Cesar Faria; o CEO da Solví Soluções Industriais, Celso Pedroso; imprensa e membros de instituições representativas do município.

Gostou? Compartilhe