Índios ocupam área destinada ao presídio feminino

Grupo, que está no local há cerca de três meses, reivindica a posse do terreno

Escrito por
,
em
Indígenas ocupam a área há cerca de 90 dias

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mais de 10 famílias indígenas estão acampadas no terreno destinado a construção de uma penitenciária feminina, na BR 285, próximo de Carazinho. O grupo, que reivindica a posse da área, está no local há cerca de 90 dias. Eles alegam que estão amparados juridicamente a aguardam resposta do Estado, que é proprietário da terra. O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) foi informado sobre a ocupação e encaminhou o caso à Procuradoria-Geral do Estado (PGE).


Instalados próximos dos pilares abandonados, que seriam parte da estrutura do prédio do presídio, enquanto os adultos preocupam-se com a demarcação da área, as crianças aproveitam o terreno para brincar. O local representa mais segurança e tranquilidade para a criação dos filhos, de acordo com o cacique Jocemar Verá. Conforme ele, o grupo estava cansado de viver às margens da rodovia, no trecho próximo a Mato Castelhano, onde há outros três acampamentos. “A gente quer um espaço para manter nossa cultura. A nossa cultura na beira do asfalto não tem como dar continuidade. É um lugar incerto. A gente quer um espaço para criar nossos filhos, com decência”, enfatizou.


O acampamento sobre o terreno destinado a construção do presídio é uma forma de pressionar o governo do Estado, que não está dando atenção à causa, segundo a liderança indígena. Além disso, Jocemar Verá alega que há histórico de indígenas que viviam na região. “Os nossos antepassados sempre andaram nessas regiões do Rio da Varzea. A cidade de Passo Fundo, na verdade, foi construída em cima de terra indígena, e a gente está tentando reivindicar os poucos que nos restaram dessa terra”, afirma. O grupo estava a cerca de oito anos nos acampamentos de Mato Castelhano. Para a próxima semana, outras 10 famílias deve se juntar a eles.


Promessa de anos
O governo do Estado conseguiu, recentemente, prorrogar os recursos federais destinados à construção do presídio feminino de Passo Fundo. A informação foi confirmada à reportagem do jornal O Nacional pelo delegado da 4ª Delegacia Penitenciária Regional de Passo Fundo, Rosálvaro Portela, neste mês. Pela nova data, o governo tem até 30 de dezembro para investir o recurso, na ordem de R$ 8,5 milhões. Caso este prazo não seja respeitado, o dinheiro pode ter o mesmo destino dos R$ 8 milhões que seriam investidos na construção do presídio regional masculino, que o governo do Estado teve de devolver à União, em 2012.


A construção da uma nova penitenciária no local é promessa de anos. Para a construção de uma penitenciária masculina, o projeto havia sido elaborado ainda em 2007 e a obra iniciou em 2010, mas foi interrompida seis meses depois, com 7% de execução. À ocasião, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) havia apontado irregularidades como a falta de autorização da Caixa Econômica Federal e o descumprimento de normas do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), no projeto. Em razão destas irregularidades, o contrato foi desfeito com o Ministério da Justiça.
Já os R$ 8,5 milhões da cadeia feminina estão disponíveis há cerca de quatro anos, e está sofrendo a quarta prorrogação. À época, o projeto foi orçado em R$ 17,4 milhões, sendo o restante uma contrapartida do Estado. Com capacidade para 294 vagas, a penitenciária deve ser erguida na mesma área onde deveria estar o presídio masculino. Um terreno doado pelo município às margens da BR 285, quase na divisa com o município de Carazinho. Somente na área da 4ª Delegacia Regional, com sede em Passo Fundo, são 10 casas prisionais. Deteriorados e superlotados, os prédios construídos na década de 70 não foram projetados para receber mulheres. Ao longo dos anos a alternativa tem sido o improviso, com adaptações de espaços para receber as mulheres.


O projeto inicial da cadeia feminina previa, além do módulo das celas, módulos de triagem (inclusão e isolamento), saúde, tratamento penal (serviço social e jurídico), serviço, polivalente (área coberta, fraldário, recreação e cultos ecumênicos), berçário, creche, e ainda, o módulo de ensino e oficinas. Conforme Portela, o projeto segue no Departamento Penitenciário Nacional (DPEN). Após, será encaminhado para análise na Caixa Econômica Federal. "É necessário o aval da Caixa, para posteriormente iniciarmos o processo licitatório. Não temos como estabelecer prazos", declarou. Segundo ele, o recurso pode ser atualizado, em razão da defasagem dos valores orçados.

Gostou? Compartilhe