O rio que é de todos

Projeto do MAVRS, juntamente com o Muzar e o MHR, busca evidenciar o Rio Passo Fundo como patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político

Escrito por
,
em
Projeto busca reconhecer o Rio Passo Fundo como parte essencial da sociedade

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Todos os dias, milhares de pessoas passam por ele, mas sequer prestam atenção na sua existência. Outros milhares usam seus recursos, mas talvez nem pensem na origem. Ele está aqui antes mesmo da primeira casa ser erguida e quando as primeiras mãos se refrescaram em suas águas, talvez ele ainda nem tivesse nome, mesmo assim, hoje ele nomeia uma cidade. O Rio Passo Fundo é patrimônio não só da cidade que o homenageia, mas de toda uma região do Estado que abrange, pelo menos, 30 municípios que são abastecidos pelas águas dele e de seus afluentes. É um patrimônio tão valioso e, ao mesmo tempo, tão negligenciado.


Neste cenário, o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS), com o apoio do Museu Histórico Regional (MHR) e do Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar), todos ligados à Universidade de Passo Fundo (UPF), criaram e desenvolvem o “Projeto Rio Passo Fundo: patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político”, com patrocínio do Programa Caixa de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro 2017/2018. A iniciativa busca reconhecer o Rio Passo Fundo como parte essencial da sociedade.


O projeto, que envolve os 30 municípios da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo, consiste na realização de exposições e, principalmente, na construção de um banco de dados – constituído a partir de informações obtidas durante as expedições realizadas e, ainda, através do Edital de Mapeamento de Potenciais Informativos - que permitirá que a comunidade tenha acesso e conhecimento sobre todas as informações que compreendem a Bacia Hidrográfica.


De acordo com uma das responsáveis pelo Projeto, Flávia Biondo, a equipe está iniciando a compilação dos dados obtidos nas expedições que foram realizadas. Ela conta que tiveram uma boa receptividade nos municípios e comunidades e puderam perceber a preocupação das pessoas com o rio e suas transformações, embora poucas ações efetivamente sejam desenvolvidas. Dentre essas transformações, as expedições permitiram constatar que em boa parte do seu trajeto, o rio virou lago para a produção de energia elétrica e devido à consolidação do uso das margens há pouca preservação de matas ciliares. Flávia explica que no que diz respeito às cabeceiras do rio, ainda é necessário se ampliar as ações de proteção. “É uma necessidade do município devido ao abastecimento”, justifica.


O rio em miniatura
O Projeto Rio Passo Fundo tem caráter interdisciplinar e envolve diferentes cursos da UPF e também diversos órgãos de proteção ao meio ambiente. Uma das ações que fará parte das exposições referentes ao Rio Passo Fundo estão duas maquetes que mostrarão a abrangência da bacia hidrográfica. Elas estarão expostas no MHR e no Muzar e terão diferentes dimensões. A menor ocupará uma área de 9,4 metros quadrados e está em fase de acabamento. A maior terá 50 metros quadrados. As maquetes estão sendo produzidas por acadêmicos.

 

Expedições
As expedições realizadas durante o Projeto Rio Passo Fundo buscam reconhecer a área da Bacia Hidrográfica do rio, captar informações com as populações locais e, através de coletas científicas, visitações e fotografias, retratar a realidade da forma mais fiel possível. “Buscamos reconhecer as relações das pessoas com o rio, fizemos levantamentos da qualidade da água, mas falta compilar”, explica sobre o próximo passo do projeto. Confira os locais pelos quais o grupo passou:


Pontão e Ipiranga do Sul
Parque Natural Municipal de Sagrisa/Pontão
Comunidades ribeirinhas

Campinas do Sul e Ronda Alta
Comunidades ribeirinhas
Ambiente Urbano de Ronda Alta
Comunidade ribeirinha característica de condomínio

 

Entre Rios do Sul e Cruzaltense
Centro de Cultura Tractebel/Engie Brasil
Comunidades ribeirinhas

 

Nonoai, Faxinalzinho e o Goio-En
Comunidade Indígena e ribeirinha
Desenvix Energias Renováveis S.A
Foz do Rio Passo Fundo no Rio Uruguai

Gostou? Compartilhe