Prefeito de Não-Me-Toque é investigado por assédio sexual

Duas servidoras prestaram queixa à Polícia Civil e Tribunal de Justiça autoriza investigação

Escrito por
,
em
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um vídeo que começou a circular ontem à noite, em que mostra suposto assédio sexual do prefeito de Não-Me-Toque, Armando Carlos Roos, (PP) a uma servidora do município causou espanto na comunidade. Desde que recebeu o aval do tribunal de Justiça do Estado, a Polícia Civil de Não-Me-Toque investiga duas denuncias de assédio sexual contra o prefeito. Responsável pela investigação, delegado Gerri Adriani Mendes, disse que duas servidoras públicas procuraram a delegacia alegando ameaças de perda ou rebaixamento de cargo caso não aceitassem o assédio promovido pelo prefeito. Desde ontem à noite, um vídeo gravado por uma das vítimas circula pelas redes sociais, mostrando a investida do prefeito.


A primeira denúncia foi feita no ano passado, por uma servidora de carreira. Ela teria sido rebaixada de cargo e salário, por não ter aceito o assédio sexual feito pelo prefeito. A mulher também alegou ser ameaçada e recebeu proteção no âmbito da Lei Maria da Penha. Para dar prosseguimento às investigações do primeiro caso, a polícia precisou do aval do Tribunal de Justiça. O Ministério Público Estadual também tem uma representação criminal contra o prefeito.


A vítima que gravou o vídeo é funcionária que trabalha desde o ano passado em cargo comissionado. O prefeito teria imposto favores sexuais em troca de uma melhor condição de trabalho.

 

Transcrição de parte do vídeo:
O vídeo feito por um telefone celular e mostra a conversa entre a suposta vítima e o prefeito. Ele não sabe que está sendo gravado. Na conversa, tratam de um emprego para ela. O prefeito diz que vai vagar um CC1 na prefeitura e que ela vai trabalhar como chefe de turno, mas onde não é especificado, mas fica definido que ela vai começar no dia 1º, mas no vídeo não fica claro de que mês.

 

''Deixa evoluir a coisa um pouco, tem gente que deve estar saindo'' diz o prefeito.
Em determinado momento da conversa eles riem, e ele diz ''eu quero...'' mas esse trecho não é claro. Ela responde ''não tem querer nada''.
Ele pergunta: ''_nenhuma chance por enquanto?''.
Ela responde: ''_ Primeiro eu vou resolver a minha vida, depois a gente conversa''.
Ele diz que ela pode ir no apartamento dele, ''_mas ia ter que ser na semana que vem, porque na outra você já começa (a trabalhar)''.
Ela diz que não pode, pois trabalha como faxineira, e ele responde:
''_  Mas uma coisa de dinheiro eu te dou, eu não quero de graça''.

 

A segunda vítima também foi afastada das funções e, segundo a polícia, passou a receber ameaças por um perfil falso do facebook. Ela tem garantidas as proteções da Lei Maria da Penha.


A imprensa aguarda manifestação do prefeito Armando Roos, que deve ocorrer ainda na tarde desta terça-feira.

Gostou? Compartilhe