Prefeito gaúcho é investigado por suposto estupro de vulnerável

Ministério Público Estadual cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete do investigado e em suas residências

Escrito por
,
em
Mandados de busca e apreensão foram cumpridos no gabinete do prefeito investigado

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um prefeito gaúcho é investigado pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) por estupro de vulnerável. Na manhã de ontem (15), A Procuradoria de Prefeitos, com apoio do Grupo de Operações Especiais de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Brigada Militar, cumpriu três mandados de busca e apreensão no gabinete do prefeito e em suas duas residências.


O prefeito da cidade de Planalto, município próximo de Frederico Westphalen, teria oferecido R$ 1 mil a uma garota de 13 anos para que ela fizesse sexo com ele, conforme apuram as investigações conduzidas pela coordenadora da Procuradoria de Prefeitos, Ana Rita Nascimento Schinestsck, e pelo promotor de Justiça assessor da Procuradoria Alexandre Salim. As investigações dão conta, também, que o prefeito teria tentado molestar a jovem, o que configura o crime de estupro de vulnerável.


O fato foi noticiado ao Ministério Público, Conselho Tutelar e Polícia Civil, o que levou o suspeito a marcar encontro em local ermo com os pais da menor, com o objetivo de convencê-los a retirar a representação. A menina ainda denunciou que o prefeito mostrou a ela fotos e vídeos de outras jovens nuas, inclusive da cidade. As buscas têm o objetivo de confirmar a existência desse material, bem como eventual participação do suspeito em outras situações sexuais envolvendo menores de idade. A promotora de Justiça Michele Taís Dumke Kuffner acompanha os trabalhos.


Além dos mandados de busca e apreensão, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça deferiu os pedidos do MP para proibir o contato do investigado com a vítima e os pais dela, por qualquer meio, seja pessoalmente ou por terceiros, ou mesmo por meios eletrônicos ou telefônicos, além de guardar distância mínima de 200 metros da ofendida e familiares. Ele também está proibido de se ausentar da Comarca de Planalto sem autorização judicial.


Contraponto
A reportagem de ON tentou contato telefônico com o investigado, mas não foi atendida.

Gostou? Compartilhe